• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Sei que muita gente criticará, mas argumento nenhum tira a emoção do relato da minha querida amiga Fúlvia Andrade sobre o nascimento de Laura, sua segunda filha biológica. Sim, segunda filha biológica, pois há ainda a filha canina, Suzie, uma querida galguinha. Falem o que falarem, Laura será uma criança e um adulto mais seguro, mais tranquilo, mais feliz, pois foi gerada, aguardada e trazida ao mundo com AMOR e responsabilidade, de modo natural, respeitando a natureza animal de toda mulher e que tantas preferem esquecer e suplantar, marcando cesáreas como quem marca manicure, esquecendo que quem deve decidir quem nasce é a criança. Já falei: critiquem quanto quiserem, mas o parto da Laura, pra mim, foi um LUXO, um privilégio, uma honra, uma benção. Nascer e não ser separada da mãe, não ser pesada, passada de mão em mão, blábláblá, não ter o cordão umbilical (referência fortíssima da criança) cortado logo que nasce… Nossa, é tanta diferença que só posso desejar que mais crianças passem por um parto tão maravilhoso, tão verdadeiramente HUMANO. Vale lembrar que antes de TUDO, somos animais. Por mais ególatras e pedantes que nos tornemos, somos BICHO. Nem melhores, nem piores, apenas diferentes de todos os outros, oriundos da mesma fonte, seja ela quem você acreditar que for. Tenho muito orgulho desta família amorosa, corajosa, sem paranoias, sem melindres e que dá valor ao que realmente importa: saúde real e amor. Confiram o lindíssimo relato do parto da Laura e algumas das fotos que mostram a participação da Suzi no processo. Abaixo alguns trechos. A íntegra vocês conferem clicando nas fotos ou aqui. Leia também: Entenda o polêmico parto domiciliar e veja quem pode dar à luz dessa maneira Relato de Parto – Laura O parto da Laura não aconteceu só no dia 5 de […]

    Parto humanizado: até a cachorrinha da família participou!

    20 de setembro de 2012Filhos, Fúlvia Andrade

    A Série Filhotes existe não só para nos ajudar a conviver com os cães, mas a saber qual deles terá mais chances de se adaptar a nossa vida e, com isso, diminuir as chances de ser doado ou abandonado. Como hoje no Brasil já é possível adotar QUALQUER raça, tamanho o abandono ou repasse de cães, este post é fundamental para você escolher seu novo amigo e refletir seriamente se as características dele combinarão com sua vida. Não dá para ter um cão terrier, por exemplo, e ficar com raiva quando ele cavar buracos no quintal ou caçar o gato do vizinho, né? Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia (minha amiga que ajuda com as traduções) recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições. Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Escolhendo um filhote entre sete grupos (lembrando que, aqui no Brasil, são 10 grupos, e não apenas 7 como nos EUA, ver informação no fim do post*) Nesta seção, a autora apresenta as raças mais comuns/populares dos EUA. Brincalhões: Cães Esportivos Proativos, os cães deste grupo foram criados para ajudar o ser humano na caça, seja espantando, recolhendo ou apontando a presa. São cães ativos e estão sempre procurando algo que fazer. Precisam, portanto, de muito exercício físico e mental, e de donos ativos, que possam lhe proporcionar isso. Abaixo, os quatro tipos de cães deste grupo: Pointers Braco Alemão de Pelo Curto Braco Alemão de Pelo Duro Weimaraner Pointer Viszla Retrievers Chesapeake […]

    Grupos de raças: aprenda mais antes de adotar um cão!

    17 de setembro de 2012Fúlvia Andrade, Série Filhotes

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições. Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Durante o estágio anterior (puberdade), desencorajo qualquer tipo de correção durante o adestramento. Agora que o filhote se tornou um adolescente, ele está emocionalmente pronto para entender que nem tudo agrada a você. Seu filhote aje naturalmente quando testa sua flexibilidade naquilo que aprendeu. Ele imagina se o “Senta” para ter companhia signifique algo um pouco diferente de sentar para lhe agradar. Nos estágios anteriores, você trabalhou no processo de educação. Mostrou ao filhote exatamente o que cada coisa significava. Agora ele já sabe. Toda vez que ele não responder, ou fizer do jeito dele, ele está lhe testando. Se você ficar repetindo, ele nunca aprenderá a responder direito. Como ensinar uma criança a amarrar o cadarço, uma hora ele terá que fazê-lo sozinho. Para desenvolver sua consciência, você deve fazer duas coisas: Decidir o que você quer quando pede algo para o cão; Seja coerente. Se sua expectativa não é clara, a reação do cão também não o será. Nesta fase, quando estiver praticando os exercícios, evite ficar repetindo o comando ou ajudando o filhote. Se ele não responder, reveja seu tom de voz (é duro demais?) e faça modificações, se necessário (falando um tom mais baixo, sempre, e repetindo o comando no máximo 3 vezes). Se o filhote ainda não responder, coloque-o na posição mas não o elogie. Se o filhote […]

    Série Filhotes – 22º post: Final da adolescência canina, de 9 a 12 meses

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições. Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Quando treinamos nesta fase, melhoramos nosso controle em todos os comandos que já tenhamos ensinado ao filhote. Abaixo estão os cinco principais, que devem ser usados com muita frequência. Bons passeios com “Junto” Continue usando o “Junto” para ter melhor controle nos passeios. Fora isso, use o comando para que o filhote vá para o seu lado. Para ensiná-lo a fazer isto: Coloque-o na guia e deixe-o andar ligeiramente à sua frente. De repente, chame-o pelo nome e dê o comando “Junto”. Ao mesmo tempo, dê tapinhas na sua coxa (não na coxa do filhote). Dê um passo bem grande para trás ao mesmo tempo em que o guia para o seu lado, enquanto segura a guia. Guie-o para seu lado esquerdo fazendo um movimento em forma de U. Quando ele ficar ao seu lado, ele precisará sentar antes de continuar o passeio. Depois que ele aprender o “Junto”, comece a encorajá-lo a ir para seu lado com distrações (com guia, no começo) e quando você estiver sentado. Sempre dê o comando com voz alegre, peça para ele sentar e elogie-o bastante antes de liberá-lo com o “OK”. Reforçando as boas maneiras com o “Senta” Continue pedindo para o filhote sentar em todas as situações. Este comando é o equivalente humano a dizer “por favor”. Dê o comando só uma vez. Se ele […]

    Série Filhotes – 21º post: Os cinco principais comandos da Adolescência Canina (6 a 9 meses de vida)

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições.Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Adolescência: 6 a 9 mesesNesta fase, o mundo do filhote está sendo modelado por duas forças conflitantes: o desejo de agradar a você e a urgência de testar sua liderança, só para ter certeza se ele não pode mesmo fazer o que quer. Não pense que seja algo pessoal. Depois que o filhote entender que você certamente quer aquilo mesmo, você será respeitado. Abaixo algumas regras para lhe ajudar nesta fase: → Mantenha a calma. Não deixe que o filhote perceba que você está nervoso ou frustrado. Todos os adolescentes, não importa a espécie, têm um prazer perverso de nos ver assim.→ Não deixe que o filhote lhe ignore. Se ele lhe desafia durante um passeio, por exemplo, puxando a guia, reforce os seus desejos. Se ele estiver sem guia e lhe ignorar, ignore-o e saia da situação. Bater em retirada não significa que você fracassou.(Obs. da tradura: Só uma pequena observação minha: não é porque o cão, adulto ou não, puxa a guia que ele está desafiando. Pense bem: andamos muito devagar para eles, e eles querem cheirar o mundo. Acho mais legal, nestes casos, não levar tudo na base da dominância ou desafio, mas sim, redirecionar o filhote, fazendo com que ele preste atenção em você, faça alguns comandos e, por fim, deixe-o cheirar. Mas sem puxar – porque andar sem puxar […]

    Série Filhotes – 20º post: Adolescência canina – de 6 a 9 meses de vida

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições.Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd EditionTradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida.Leia também:Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 1 Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 2 Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 3 O uso de crates (caixas de transporte) dentro de casa Ensinando a usar o banheiro dentro e fora de casaVocê pode pensar: que tal se, quando eu estiver em casa, o filhote usar o quintal e, quando eu não estiver, ele usar o jornal? É o cenário perfeito para quem trabalha fora e/ou para quando o clima não contribui para ir ao banheiro externo. Essa opção de treino é um pouco mais complicada para o filhote entender, mas qualquer rotina pode ser estabelecida, desde que você seja consistente. Apenas seja claro naquilo que você espera – que ele use o banheiro externo quando você está em casa e o interno quando você não está ou quando o tempo estiver ruim – e ele aprenderá a seguir esta rotina. Abaixo, algumas sugestões: → Estabeleça uma rotina para sair quando você está em casa, exceto quando o tempo estiver ruim.→ Ensine o filhote a tocar um sino para lhe avisar quando estiver apertado e leve-o para um banheiro perto da porta (ver parte 3)→ Quando você não estiver em casa, mantenha o filhote em um ambiente pequeno ou na brinquedoteca dele, com jornal ou tapetes higiênicos do […]

    Série Filhotes – 19º post: Ensinando a usar o banheiro – parte 4 (final)

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições.Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Leia também: Série Filhotes: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 1Série Filhotes: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 2Mudando a RotinaAssim que a rotina estiver estabelecida (cerca de uma semana), interrompa-a. Ao invés de dizer cantando “Vamos lá fora!”, guie o filhote até a porta. Encoraje os sinais que ele dá (latir ou tocar um sino – veja abaixo). Seu cão dá sinais sutis? Chame-o e diga: “Quer fazer xixi? Que bom menino!”. Mostre o sino (ou lata com ele), e deixe-o sair. Repita o procedimento em cômodos cada vez mais longe da porta ou do jornal, correndo com animação e levando-o até o local certo com a guia.Gradualmente elimine a escolta até o banheiro, soltando a guia no meio do caminho. No começo, ande perto dele e pare a ¾ da distância do banheiro, depois na metade do caminho, depois em ¼ da distância até você não precisar mais ir com ele: ele irá sozinho. Ajudando o filhote a dizer que ele precisa irAs necessidades de um filhotinho podem confundi-lo. Momentos antes dele fazer as necessidades, ele sabe que algo estranho acontece na barriga mas, como é muito novinho, não sabe identificar o que é. Afinal de contas, ele é praticamente um recém-nascido. Quando ele está apertado, normalmente chora, anda em círculos ou mordisca. Mordiscar é uma […]

    Série Filhotes – 18º post: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – Parte 3

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições. Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Leia também: Série Filhotes: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 1 Estrutura e Rotina É possível educar alguns filhotes em dias. Mas, para outros, pode levar meses. O melhor jeito de treinar o filhote para usar o banheiro é bolar uma estratégia e estabelecer uma rotina. Para criar uma consistente, use o guia abaixo: → Cuidado com atenção em excesso. A primeira coisa que devemos aprender é fazer conexões entre fato e ação. Por exemplo, você sabe que o filhote te ama (e vice-versa). Mas, quando ele acorda, ou você o tira do crate (caixa de transporte), não fique fazendo festinha, não converse, não pegue no colo. Simplesmente leve-o ao banheiro (com ele andando, não no colo) usando o comando “Banheiro” ou “Faz xixi”, o que você preferir. Depois de ele ter feito o “serviço”, pode abraçá-lo, beijá-lo e brincar com ele à vontade. Enquanto ele não estiver bem educado neste treino, mantenha este ritual. → Crie uma rota. Sempre vá pelo mesmo caminho até o banheiro. Encoraje todos da casa a fazer o mesmo. Saia pela mesma porta, vá pelo mesmo caminho até que ele esteja bem educado. Veja a figura abaixo como exemplo. Mesmo se você tiver um cão pequeno ou um filhote novinho, não carregue-o até o banheiro. Deixe-o ir andando, para aprender o caminho. → Sem […]

    Série Filhotes – 17º post: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 2

    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições. Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition Tradução e adaptação: Fúlvia Andrade- Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Entenda os Impulsos Naturais do Filhote Acredite: seu filhote tem sim um padrão para as necessidades. Por exemplo, filhotes novinhos vão ao banheiro depois de: Comer Beber Dormir ou sair do crate Brincar Roer Se eu falar para você levar o filhote ao banheiro depois de cada uma destas atividades e você achar isso um exagero, lembre que um filhote muito pequeno (com 8 a 10 semanas de vida) não consegue controlar seus impulsos. Mas, quando estabelecemos uma rotina desde cedo, ele aprende a “segurar” até chegar ao banheiro. A bexiga do filhote é o último músculo a se desenvolver. Frágil e pequena, ela enche muito rápido e, até a maturidade social (por voltar dos cinco meses), precisa ser esvaziada com frequência. Pedir que o filhote espere “só um segundo” enquanto você amarra os sapatos não vai dar certo. O filhote normalmente dá sinais que precisa ir ao banheiro antes que faça alguma coisa. Como uma criança, ele mostra desconforto físico mas, ao invés de chorar, ele mordisca excessivamente e fica agitado. Se você o punir por mordiscar, ele ficará super confuso. Ao invés disso, considere levá-lo correndo ao banheiro quando ele ficar genioso e lembre-se de sempre direcioná-lo com palavras familiares. Toque um sininho no caminho até o banheiro e, dentro em pouco, ele é quem tocará o sininho para lhe mostrar […]

    Série Filhotes – 16º post: Ensinando seu filhote a usar o banheiro – parte 1

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados