• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Estava vendo umas fotos que o querido Sérgio Parisi fez aqui em casa em agosto de 2008 e achei a sequência abaixo… Meu único comentário pra minha gostosa: Que feio, filha! Não foi isso que sua mãe ensinou! Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Clique nas imagens para ampliá-las e ler a historinha… Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Mãe de Cachorro apresenta… Moira e a Formiga!

    26 de junho de 2009Filhos

    Recebi a foto acima da Lu, mãe da Konie, com o seguinte comentário:“Vê se não parece o Shoynho… Beijão, Lu.” A foto ilustra uma reportagem sobre dois gatos e um cão que são “chefes” de estações de trem no Japão. Clique aqui e leia! Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    hahahaha Shoynho japonês e chefe de estação de trem

    31 de março de 2009Filhos, Gatos, Notícias

    foto: Nina com Bruno logo que foi adotada. Ahhh, eu tinha esquecido da Nina, a primeira paixão do Bruninho! Ano passado ele foi com a mãe num petshop em Campos Novos, onde mora a vó materna dele, e chegando lá havia uma ninhada de gatinhos para adoção.Ele logo quis levar um e convenceu a família toda a adotar a Nina e lá foi ela pra casa nova! Hoje também é castrada e conquistou todo mundo, inclusive os dois irmãos cães que já existiam na família.Quando ele voltou pra Floripa, ficou morrendo de saudades da Nina e dizia pra Gabi, mãe dele: “Mãe, vamos visitar a Nina, eu estou apaixonado”. hahahahaha Não é um FOFO? Na foto abaixo ela já está grandona, tirando um cochilo com o Ike (que está só na preguiça), no mesmo sofá onde estava dormindo com o Bruninho. Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Meu "genro" cachorreiro também é gateiro!

    19 de março de 2009Adoção, Animais e nós, Filhos, Gatos

    hahahaha! Vejam a foto da Kika que a Baiana mandou! Detalhe: o osso era do Buddy e a danadinha não só roubou, como não deixou ninguém chegar perto. hahahaha! Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Mania de grandeza! hahaha

    27 de fevereiro de 2009Filhos

    Você trabalha o dia inteiro e não tem um amigão peludo, seja cão ou gato, porque não quer deixá-lo sozinho em casa o dia inteiro? Atenção! Agora seus problemas acabaram! Basta ir morar na Alemanha, nos arredores de Berlim, e pela bagatel de R$50,00 por dia contratar o hotel para animais que tem até ônibus com cabines com janelas individuais para buscar e devolver seu filho de quatro patas todos os dias. Mas se a Alemanha está um pouco longe ou cara pra você, dá para experimentar esta creche em São Paulo mesmo, que tem até agenda para anotar o que seu amor de patas aprontou durante o dia e vai comer só R$500,00 mensais do seu orçamento. Bemmm melhor, né?😉 Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Vou de ônibus!!

    12 de janeiro de 2009Animais e nós, Filhos

    foto: Shoyo & eu Dia desses, num dos raros momentos em que parei em frente a uma TV, assisti a uma propaganda que me fez parar para pensar… Confesso que não lembro o que estavam vendendo, acho que era um curso de inglês, sei lá.Só sei que o vídeo mostrava uma menina pequena fazendo escolhas ao longo da vida. Ela via duas imagens de vida dela, em situações diferentes.Ela como adolescente perua ou metaleira, por exemplo. Então, tocava em uma das imagens e o vídeo seguia para a próxima escolha. Até que lá pelas tantas ela casa e, em seguida, há duas cenas para ela optar: ela e o marido passeando com um cão e ela e o marido passeando com uma criança, que obviamente é filho deles. Ela escolhe a cena do filho e daí eu já nem lembro mais de nada porque só conseguia ficar pensando no ridículo de decidir entre um filho e um cachorro… É muito forte esse estereótipo de que OU VOCÊ TEM UM CACHORRO, OU UMA FAMÍLIA. E isso me irrita. Ver o comercial me faz lembrar do motivo que me fez iniciar o Mãe de Cachorro Também é Mãe: mostrar ao mundo que o amor que sinto pelos meus filhos caninos não deveria precisar de DEFESA, deveria ser natural, tanto quanto qualquer outra forma de amor. E lembrar a todos que quem ama e respeita um “simples” cão, com certeza estará muito mais preparado para amar e respeitar os superestimados “humanos”. Claro que depois acabei me envolvendo em lembrar às pessoas a responsabilidade delas perante estas vidas maravilhosas com quem temos o privilégio de conviver, aprendi muito sobre proteção animal, me envolvi com questões que desconhecia totalmente e, com isso, venho aprendendo muito e sempre, e tento passar a vocês, que me acompanham, […]

    Mãe de cachorro também é mãe! (Lembrando porque tudo começou…)

    Há meses atrás, Rejane entrou em contato comigo para saber sobre acupuntura para o seu Bombom que faria 23 anos!!! em junho último. Não deu tempo. No dia 16 de maio, exatos 6 meses atrás, Bombom atravessou a ponte do arco-íris.Com autorização, seguem e-mail que recebi da Rejane agora em novembro, seus relatos e a foto do fofo (tudo tal qual recebido)! Gostaria de dedicar este post a todas as pessoas que fizeram a diferença na vida de animais, fossem seus ou não. Oi Ana! Hoje lendo seu Blog li o artigo de Wagner Borges Vida Após a Morte dos Animais e também postei um comentário.Bem se me permite partilhar, tenho pesquisado e estudado sobre esse assunto. Sou uma pesquisadora da Conscenciologia (Conscenciologia = estudo da consciência em todos os seus aspectos e meios de manifestação). Entenda-se consciência como equivalente ao pricípio inteligente da “alma”.Numa palestra que eu partipava, um dos ouvitentes perguntou ao Profº Waldo Vieira (conscenciólogo) se o nível de evolução da nossa espécie está diretamente relacionado com a nossa convivência com as demais espécies, partindo das plantas até os homens, sendo que este último meio de relacionamento seria o mais complexo. Ele disse algo que resumindo seria:Sim. A nossa evolução está vinculada a isso, mas com o fluxo invertido. Ou seja, o mais fácil seria nos relacionarmos bem com os nossos mais semelhantes (seres humanos), em seguida, realizada essa tarefa, passaríamos para o próximo estágio – os animais (de todos os reinos) respeitá-los e ajudá-los, dando condições dignas de sobrevivência e evolução e por último, e de fato não menos importante, o reino vegetal (todos). Convivendo pacificamente com todos esses seres estaríamos num grau evolutivo bem diferente.Imagine você que passado tanto tempo, ainda não conseguimos nem transpor a boa convivência com a nossa raça. É interessante pensar […]

    Bombom! Um doce de cão!

    Recebi o texto abaixo da Fabi. Infância sem bicho, infância incompleta Texto: Marcelo Hernandes A meu ver, além dos Direitos Universais da Criança, um elemento não poderia faltar na cesta básica de qualquer pessoa durante a infância: a presença de um animal na vida dela. Salvo raras exceções, é difícil encontrarmos adultos que não se lembrem com carinho daquele bicho que tanto os acompanharam nos primeiros anos de vida. E, pelo que sei, quanto mais boas recordações temos na infância, mais bem resolvidos entramos na vida adulta. Mas, um momento. Não quero pregar aqui que a presença de um pet, por si só, funcione como um antídoto pra solucionar futuras complicações lá na frente. Ninguém recebe melhores condições pra negociar dívidas só pelo fato de ter sido dono do saudoso Rex, por exemplo. No entanto, de alguma forma, certos valores aprendidos no início da vida, por causa da convivência com seus bichos, podem ter um papel significativo na formação do caráter da pessoa. Dentre esses valores, destaco aqui um, que tanta falta sentimos por aí: o senso de responsabilidade. É muito bonitinho ver a criançada brincar com a bicharada, um correndo atrás do outro pela casa inteira. Concordo. No entanto, a convivência não deve se resumir apenas a isso. Aquele ser engraçadinho, parecidíssimo com o bicho de pelúcia lá da prateleira, não pode ser encarado pela criança como apenas mais um brinquedo que, uma vez usado, volta pro baú. Tampouco como um objeto sujeito ao instinto violento de alguns ditadorzinhos que, sem terem ainda plena consciência de seus atos, acham bacana desferirem eventuais chutes, tapas e apertões no coitado do cachorro ou gato. Dizem que educar uma criança é prepará-la para o mundo. Respeito pelo outro está incluso nesse aprendizado. Se desde o início os pais conseguem transferir esse valor […]

    Lições para uma infância feliz…

    17 de outubro de 2008Animais e nós, Filhos

    Publiquei este texto pela primeira vez em 1º de outubro de 2007. Mas atualmente o blog tem muito mais leitores e achei interessante, hoje, no dia dos filhos, dar a todos mais uma vez a chance de deixarem aqui registrado o que significa ser pai ou mãe de seus animais de estimação, o que na linguagem do blog ficou traduzido como ser “mãe/pai de cachorro”. Gostaria também de linká-lo a outros textos, que têm tudo a ver com o assunto: Reflexão: ajudar crianças ou cachorros? Desculpas Um pouco sobre a maternidade que meu coração escolheu Pra mim, ser mãe de cachorro é… Amar, amar e amar mais um pouco!; Ser amada incondicional e eternamente; Sair para trabalhar com uma patinha ou outra “enfeitando” a roupa; Treinar para ser mãe de gente (nossa, são tantas as lições de paciência, doação, desprendimento); Querer voltar logo para casa para ficar com os filhos; Não conseguir ouvir as pessoas falando de seus filhos (humanos ou animais) sem querer falar dos meus e achar que são perfeitos, lindos e maravilhosos!; Entrar numa loja para comprar presente para aniversário de criança e pensar “Ai, meu cachorro ia ADORAR este mordedor/ursinho/boneca/sofá…”; Dirigir torcendo o pescoço para olhar todo cachorro que encontra pelas ruas; Sofrer (muito) por todos os animais e humanos que sofrem mundo afora; Ouvir piadinhas do tipo “Mas mãe de cachorro não é cadela?”; Amar e respeitar (ainda mais) a mãe natureza; Receber olhares PASMOS quando digo que trabalho com “Cachorros Carentes” e/ou que sou MÃE DE CACHORRO!; Explicar que meu amor pelos animais não exclui meu amor pelos humanos (como se estes não fosse também animais… Enfim…); Achar que TODOS os cachorros do mundo são LINDOS!; Responder com convicção “Sim, tenho três filhos”; Ficar emocionada assistindo meus filhos queridos dormindo; Morrer de rir ao […]

    Como ELES são minhas crianças e hoje é o dia ‘delas’…

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados