• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Conheça as diferenças entre criador e fabricante de filhotes. Raça Mais uma coluna sobre venda de filhotes… Dessa vez, o que me motivou a voltar ao assunto foi o relato de uma amiga que acabou de adotar um filhote de Shar-pei, o cão que virou moda no Brasil depois da música do famoso cãozinho Xuxo. E, como toda raça que vira modismo, este cão chinês, que demanda cuidados específicos de saúde que poucas pessoas estão dispostas a dar, virou objeto de desejo, sendo prontamente vendido como mercadoria pelos sempre atentos fabricantes de filhotes. Com isso, as procriações sem critério só contribuem para que a “pureza” da raça exista mais na aparência do cão do que no que realmente é esperado dela em termos de temperamento e de saúde. Continue a ler clicando aqui.

    Quer comprar um filhote de cachorro ou de gato? Antes, leia a coluna de hoje.

    Enquanto cães e gatos forem vendidos como qualquer produto, serão apenas mais uma fonte de lucro de comerciantes de animais. Roubo Agora o roubo de cães e gatos de raça definida não está mais restrito às casas, os ladrões estão atacando as pessoas nas ruas, enquanto passeiam com seus peludos. Continue a ler clicando aqui. Ciclo de palestras em FLORIPA/SC – leia a coluna para saber tudo sobre o evento, como se inscrever etc. Programação Tema: Os Animais no Ordenamento Jurídico – 20/8 “A preocupação crescente com a segurança jurídica dos animais” – Thiago Dippe Elias, advogado. “Leis Municipais de Proteção Animal, Normativas, Pareceres, Entrada em propriedade privada para resgatar animais, Animais em Condomínio, Relações litigiosas com vizinhos por conta de animais” –  Eduardo Goeldner Capella, advogado. “O papel da Polícia Militar e da Polícia Civil na repressão aos maus-tratos de animais: como denunciar” – Silvana Alves Pereira, Agente da Polícia Civil. “O papel do Ministério Público na Defesa dos Animais” – Heliete Leal, promotora de Justiça (aposentada). Tema: A Relação dos Animais com a Política e a Saúde Pública – 27/8 “Os Animais e a Política” – Maria da Graça Dutra, vereadora. “A importância da esterilização em animais domésticos”- Kátia Chubaci e Marina Dante, médicas veterinárias “Contenção, manejo e recuperação de animais vítimas de maus-tratos” – Ricardo Fontão de Pauli, médico veterinário “Canis clandestinos, criadores de fundo de quintal, maus-tratos de animais e as consequências para a Saúde Pública”- Maria de Fátima Martins, diretora de Bem-Estar Animal da Prefeitura Municipal de Florianópolis.

    Roubo de cães e gatos de raça reflete a mercadorização da vida. E mais: ciclo palestras sobre a causa animal em Florianópolis!

    Tudo bem, nem todo mundo é falador, metido e até mesmo abusado como eu, o tipo de pessoa que escuta alguém falando sobre cães seja onde for e que pede licença e se mete na conversa. Mas… Um pouco de posicionamento e atitude perante o vasto mundão não faz mal nem mata ninguém e, de quebra, ainda pode ajudar aos animais que você jura amar tanto, sejam eles quais forem. Basta estarmos abertos a algo para que nossas energias se encontrem. Exemplos? Não faltam, sobram! Falo sobre castração com todas as mães de cachorro que encontro com seus peludos. Sim, todas. É o mesmo papinho sempre “Oi, que lindo(a). Qual o nome? Quantos anos? Que amor! Já castrou?”…Se a resposta for sim, vou de: “Parabéns! Pôxa, parabéns mesmo!”. Se for não, “Ah, mas por quê não? É tão bom castrar, fora que olha a quantidade de bicho nas ruas. E os de raça então? Tá cheio pra doar! bláblábláblá”… Conversando com o fornecedor de camisetas da Loja, de novo castração em pauta, mas desta vez também abandono e piometra, já que ele pretendia cruzar sua American S. Terrier porque ela tinha um “ótimo pedigree”. Como é alguém com quem já tenho uma certa intimidade, fui mais incisiva, embora tenha dito tudo sorrindo, esperando as respostas e com tom amigável, mas ainda assim, falei tudo que queria: “Tá, você diz que a tua cadela é ótima, mas e o macho? Vais fazer exames de saúde nos dois, você conhece as doenças da raça? Ou só vais juntar A com B e encher o mundo de mais cachorro? Vais cuidar dos filhotes até eles teram uns 60 dias de vida? Deixa eu vê-la?”.  Ontem mesmo fui atrás dele para conhecer a cadela e… Deu até pena, lá veio ele com o pedigree […]

    Promover educação pró-peludos: basta abrir a boca e…

    Lembram dos desenhos lindos que a Olga Gonorovsky fez em homenagem a sua cadelinha Zhuzha, falecida em 2010? (Não lembra? Clique aqui então) Pois acabamos ficando amigas através do Facebook e pedi a ela que nos concedesse uma entrevista falando um pouco de sua vida e trabalho, já que tanta gente – como eu – ficou embevecida e curiosa com suas lindíssimas imagens, que mais do que beleza, transmitiram o sentimento da dor da separação física de nossos amores de patas. Abaixo, segue o texto da Olga para nós, obviamente traduzido por mim. Ela acabou não respondendo minhas perguntas uma a uma e fez um texto só. Espero que gostem! EXCLUSIVO para o Mãe de Cachorro: Olga Gonorovsky por ela mesma: “Tenho 51 anos de idade e moro em uma pequena cidade perto de Moscou (Rússia). Meu marido é roteirista de cinema, tenho um filho de 25 anos que já é casado e que não mora conosco. Pinto por hobby, é minha recreação, minha diversão. É maravilhoso ver que meus desenhos trazem alegria a outras pessoas. Não sou criadora de cães, mas sou amiga de uma criadora de Bulldogues Franceses, Olga Zabroda, do canil Zon Miracle. Todos os meus cães têm sua supervisão e já estamos na 4ª geração. Meu primeiro Frenchie foi comprado há 12 anos. Fuka, Zhuzha e Lelka nasceram em minha casa e Zhuzha é filha de Fuka. Eu a escolhi, dentre 5 filhotes fêmeas, por sua ternura, amabilidade e beleza. Zhuzha era o cão da minha alma. Ela sempre dormia comigo, no travesseiro, acima da minha cabeça. Hoje, nenhum dos meus outros cães faz isso. Por seis meses lutamos contra o câncer dela, mas perdemos. Ela tinha apenas 4 anos e meio quando faleceu. Lelka, irmã de Zhuzha, é parecida com ela em algumas situações e […]

    EXCLUSIVO: Entrevista com Olga Gonorovsky, a mãe de cachorro russa que pinta Frenchies de maneira linda, linda…

    Em 2010 desejei que todos nós pudéssemos colocar um cãozinho sem raça definida em nossas vidas em 2011 e lembro de ter pensado “Será que consigo o meu?” enquanto escrevia a vocês. Até 2003, sempre fui irmã ou mãe de cães sem raça definida. Então passei a ser mãe do Sushi e do Shoyo, comprados (para felicidade do Mãe de Cachorro, que já nasceu falando sobre guarda responsável e adoção, pois antes deles eu nunca nem havia pensado no horror do comércio de vidas e nas fábricas de filhotes) e depois, em 2004, veio a Moira, adotada mas ainda assim “de raça”. Só que, por mais que eu goste de todo e qualquer cachorro, meu coração é dos vira-latas, não tem jeito (e depois deles, dos gigantes molossos). Talvez por serem minha primeira referência da vida em cães, talvez por eu ser uma mega vira-latas, sem a MENOR raça definida, talvez por eu simplesmente amar e ponto, sem precisar achar justificativas. Aliás, coisa chata isso de ter que explicar preferências e de ficar pegando no pé de quem prefere esta ou aquela raça, como se cães de raça definida fossem menos cães e merecessem menos amor. Se a pessoa vai adotar, que importa se ela tem o sonho de ter este ou aquele cão, santo cristo? Fala sério, mais foco nas boas adoções e menos foco nas picuinhas e julgamentos, por favor, gente chatadosinfernos! Voltando… O tempo foi passando, eu tentando convencer o maridão (sem sucesso) a aumentar a família e babando em tudo quanto era cachorro sem raça definida disponível pra adoção e… nada. Conheci o Pumba, de Curitiba, e sofri verdadeiramente por não poder adotá-lo. Quando li o lindo depoimento da Sylvia no post Polly e a importância de adotar senti um misto de alegria pela evolução de […]

    Com vocês… Minha nova filha: Java, a Linda!

    Clique na imagem para ampliá-la.Divulgue e compareça!Quem reside em Florianópolis pode ter, por lei, o número máximo de 5 animais em sua residência. Por um lado tal medida visa coibir os terríveis (e doentes) colecionadores de animais, mas acaba inviabilizando o trabalho de protetores independentes ou filiados a ONGs, que trabalham voluntariamente com recolhimento, cuidados e doação de cães e gatos. A discussão de amanhã na Câmara Municipal de Florianópolis visa justamente modificar este panorama, permitindo que protetores cadastrados junto à Vigilância Sanitária estejam liberados desta limitação. Acho ótimo, mas não preciso lembrar que a fiscalização deverá ser muito bem feita, já que os grandes colecionadores e animais escondem-se justamente sob a desculpa da proteção aos animais. Outra turma que pode aproveitar para abusar da aprovação da emenda sugerida pelo vereador Aurélio Valente são os odiosos comerciantes de filhotes com suas fábricas de filhotes. Mas, não deve-se deixar de avançar e beneficiar quem trabalha verdadeiramente em prol dos peludos por conta dos que fazem justamente o contrário, certo? Fiscalização em todos eles e a cidade e os animais estarão muito melhor!Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Audiência sobre o PL do Vereador Aurélio Valente para regulamentar as “casas de apoio” em Florianópolis: amanhã, às 16h.

    Muito já foi dito sobre o cruel comércio de vidas que quem compra animais em petshops, feiras, anúncios etc. teima em ignorar e sustentar. Recentemente a Bianca amadica publicou dois posts no seu delicioso O Pequeno Grande Cão que me fizeram tomar a decisão de trazer pra vocês um apanhado de links sobre a questão da exploração de cães e gatos para suprir a demanda por filhotes de raça definida. Antes de prosseguir com a leitura (ou, quem sabe, após terminá-la), vale visitar a página Sites/blogs de adoção aqui do blog. Retirem um tempinho e boa leitura, o assunto merece nossa atenção e divulgação. Veja o resgate de 90 yorkies de uma fábrica de filhotes Saiba como funciona a indústria de filhotes Fábricas de filhotes (Puppy mills) Fazendas de filhotes: elas estão mais perto do que você imagina Feiras de Filhotes. DIGAM NÃO! Back Yard Breeders Criadores acima da lei O papel dos criadores no controle de cães abandonados Criador ou comerciante? Assumindo responsabilidades Filhotes Online Petshops usam cães de clientes para cruzar sem autorização Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe.Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Sobre fábricas/fazendas de filhotes, comerciantes/atravessadores e criadores de fundo de quintal…

    O texto abaixo é de um e-mail que acabei de enviar para várias pessoas aqui de Floripa.Mas gostaria de contar mais uma vez com o apoio de todos vocês, meus amados leitores, para ajudar a ensinar aos senhores do Diário Catarinense um pouco sobre respeito aos animais e guarda responsável! Caso vocês queiram ter suas cartas ao jornal publicadas no Diário do Leitor, coloquem nome, profissão e CPF, porque estes dados autorizam a publicação de suas palavras.Oi, gente!Todos sabem dos absurdos cometidos pelos criadores de fundo-de-quintal que despejam seus filhotes em vitrines de pet-shops e da batalha que foi pra Diretoria do Bem-Estar Animal conseguir barrar um pouco essa turma desonesta ao impor condições para a venda de filhotes de cães e gatos em Florianópolis. Condições estas que, diga-se de passagem, qualquer criador realmente decente e honesto inclusive apoia e pratica, até mesmo porque não revende filhotes para atravessadores como petshops e feiras e muito menos anuncia em jornais e classificados de qualquer espécie.Esta semana fui a uma pet e conheci uma moça que tem uma yorkie de 4 meses com catarata congênita, comprada em uma petshop de Palhoça pelo noivo (por R$1.300,00!!). Detalhe: a petshop tem veterinária, que examinou a pobrezinha quando voltaram para reclamar e disse que estava tudo normal e, mais tarde, quando não era possível negar, que então eles que ‘trocassem’ a filhote.Recebi há pouco as notas abaixo. Por favor, vamos todos escrever reclamando dos absurdos abaixo? Todos sabemos que inclusive este senhor que deu ‘depoimento’ revendia filhotes como se fossem caminhas, sem a menor preocupação com o local de onde vieram e muito menos para onde iam, era pagar e levar. Lógico que está fazendo rolo pra voltar a ser atravessador, afinal, pagava preço de babana pelos filhotes e os revendia com no mínimo 100% […]

    ATENÇÃO de TODOS os leitores Mãe de Cachorro, por favor!

    –> Quer conhecer o verdadeiro temperamento de outras raças disponíveis para adoção? Confira o Guia de Raças Mãe de Cachorro clicando aqui. Gostaria de fazer uma observação na raça de hoje: novamente temos um cão que foi largamente comercializado nos Estados Unidos, país da autora dos textos. Com isso, particulares e comerciantes, muitas vezes de fábricas de filhotes, cruzaram seus cães de maneira irresponsável e, com isso, tornaram bastante difícil alguém encontrar um verdadeiro Cocker Spaniel Americano para adoção (ainda mais no Brasil, onde a raça não é popular). Nada disso impede que estes animais mereçam amor, cuidados e um lar amoroso, só vale lembrar que o intuito dos textos da Michele Welton é descrever o comportamento característico de exemplares o mais próximos possível da raça original. Raça de hoje: Cocker Spaniel Americano – O Cocker que não é “O Cocker” Texto: Michele Welton- Tradução: Ana Corina – Todos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida. Temperamento – O que é bom e o que é ruim sobre eles O American Cocker Spaniel (cocker spaniel americano) de boa linhagem é doce, feliz, gentil e brincalhão. A menor das raças de esporte precisa de exercícios regulares, mas caminhadas diárias e brincadeiras serão suficientes. Quando bem socializado o Cocker Spaniel Americano é amigável e pacífico com estranhos e outros animais, embora haja timidez e submissão excessiva em algumas linhas de sangue da raça. O Cocker Spaniel Americano é um cão que responde a um treinamento de obediência persuasivo e animado que inclua agrados e recompensas com petiscos. E estas são todas as boas notícias. As más notícias são… O Cocker Spaniel Americano precisa de muitos cuidados com sua pelagem, que envolvem de escovação à tosas específicas. Eles soltam muito pelo e geralmente têm um odor bastante característico “de cachorro” em sua pele […]

    Guia de raças no Mãe de Cachorro: Cocker Spaniel Americano

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados