• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    A querida Emmanuelle Moraes tem dado dicas rápidas de adestramento no seu blog, o Educadora Canina. Deixo vocês com mais uma das dicas dela, que com certeza será útil a quem tem mais de um filho peludo. Botei algumas observações (em rosa) no texto dela só para complementar um pouco, ok? Leia também: Hora (divertida!) da comida. Ensinar autocontrole na hora da refeição O Alimento, para os cães, pode ser motivo de briga. Para evitar brigas na “hora do rango” siga as dicas abaixo: Cada cachorro deve ter uma tigela individual de comida; Sirva cada cão com uma “distância de segurança” dos demais para evitar disputas por comida e também que comam muito rápido (na intenção de atacar a comida alheia); Defina os horários para servir as refeições (e retire os potes de comida após um tempo – tipo 15 minutos – caso não comam tudo). Assim os cães comem logo após serem servidos e não há necessidade em deixar os potes espalhados pelo chão; Se os seus cães não se comportam bem enquanto você almoça (pedindo comida, latindo, sendo agressivo com quem aproxima da mesa, arranhando suas pernas…), então não permita que permaneçam próximo a mesa durante as suas refeições. Seguindo tais dicas pode-se evitar brigas desnecessárias durante a hora da refeição de ambos, cães e tutor.

    Dúvida do leitor: Como evitar brigas na hora das refeições?

    Ai, gente, recebi o pedido de ajuda abaixo na página do blog no Facebook, mas agora não estou achando mais quem estava com o problema e ao colá-lo no e-mail onde pedi pra Emmanuelle Moraesresponder, não veio o nome da pessoa. Então espero que a pessoa leia o blog para poder achar a resposta a seu problema…Leia também: Como lidar com xixi por medo e por excitação? “Oieee preciso de um conselho… minha filha menor tem em torno de 6 meses adotamos ela da rua em um estado assim que nao a explicaçoes.. o pessoal dissse que ela apanhava etc.. so que ela quando a gente vai pega no colo se mija sempre.. isso passa? Brigadu” EXCLUSIVO: Olá! Infelizmente o seu relato está muito simplificado, e isso limita não só a compreensão do caso, mas também a capacidade de ajudar-lhe melhor. Mesmo assim, faço um “apanhado” da situação e deixo algumas dicas de como lidar com a sua “pequena” de maneira que ela sinta mais segurança ao ser manejada por você e para que com o tempo aprenda que você não é uma ameaça e sim alguém em que ela pode confiar. Como se trata de um cão resgatado das ruas e vítima de maus-tratos fica claro que ela deve ter alguns traumas decorrentes da vida que até então levava. Normalmente, os cães oriundos da rua, quando ganham um Lar e tudo que vem junto nesse “pacote”, como: comida, lugar quentinho para dormir, abrigo do sol e chuva, e principalmente o carinho humano, acabam “super” valorizando isso tudo, o que pode fazer com que, no futuro, tornarem-se cães muito dependentes do humano envolvido. Sendo assim, já indico que comece a acostumar a sua cadelinha a ficar só, por alguns períodos, desde já. Junto a isso é importante analisar, ou melhor, […]

    Dúvida do leitor: Como lidar com cães que urinam por medo ou ansiedade?

    A dúvida da leitora Débora Müller é bem grande, mas graças ao relato detalhado a querida Emmanuelle Moraes, do blog Educação Canina, conseguiu ser bem precisa na resposta (que prontamente enviei à Débora). Relutei um pouco em publicar a pergunta na íntegra com medo de vocês não lerem tudo, mas o material está bem rico, então segue tudo como recebi, pergunta e resposta. Leiam tudo com atenção, pois vale a pena! Olá, achei seu blog ao procurar dicas de adestramento, e me encantei com o texto sobre dominancia, pois tenho uma cadela que é uma mistura de pastor alemao com holandes, de 3 anos que tem sérios problemas de comportamento, e todos os adestradores que ja contratei com que conversei, falam sobre ela ser dominante, e ate hoje NINGUEM conseguiu nos ensinar a mudar o comportamento ruim que ela apresenta. Gostaria muito de poder passar a vc e sua equipe a situação que passo com a minha cadelinha, pois eu a amo muito, mas ela tem problemas terriveis de comportamento…mas nao consigo desistir de pesquisar a tentar novas tecnicas para ajudá-la. Ja passamos por 3 adestradores, ja comprei todos os tipos de coleiras, livros… tudo! nada funciona com ela. Voces se interessam em saber qual a situação dela para de repente, tentar me ajudar? vejo q vcs tem uma visao diferente da dos outros adestradores em geral, por isso me interesso muito em saber a sua opiniao. Então, a situação é a seguinte: Eu comprei ela com 45 dias de uma pessoa que se diz adestrador, aqui na minha cidade. E quando fez 4 meses pensei em adestrá-la, pois ela é um cão pastor e cresceria, e temos uma criança em casa, e eu queria um cão calmo e obediente. Daí contratei o mesmo rapaz que me vendeu a cadelinha. […]

    Dúvida do leitor: Fui vítima de um péssimo adestrador e meu cão ficou agressivo. E agora?

    EXCLUSIVO – Creio que o X da questão aqui seja a frase “ele é super amado,é o bebê da casa”. Resolvendo tanto mimo, as chances deste cão voltar a ser equilibrado são grandes. O que me faz pensar em todos os relatos de cães grandes que “dormiam na cama” e eram “tratados como filhos” e que as pessoas, no seu profundo desconhecimento sobre comportamento animal, logo rotulam como sendo problema “da raça”. Seguem a dúvida da leitora Ana Martins e a resposta da educadora canina, Emmanuelle Moraes! Olá, Meu Bichon é adoravel… Usa as caminhadas para suas necessidades. Ele está com seis anos e agora começou a manifestar agressividade.morde as pessoas, chega até a avançar.To preocupada,afinal ele é super amado,é o bebê da casa. Nunca o deixamos sozinho.não consigo entender. Me ajudem. Tenho deixado de ir a lugares…..pelo comportamento dele. Obrigada e aguardo um retorno Ana Martins Leia também: Sintomas de dor! Fique ligado! Guia de raças no Mãe de Cachorro: Bichon Frisé Dúvida do Leitor: Meu cão avança para morder se tentamos tirar algo dele, e agora? “Oi Ana Martins, Se antes o seu peludo nunca havia sido agressivo e agora passou a demonstrar tal comportamento é preciso estar atenta a alguns fatores. Inicialmente certifique-se de que ele não esta com algum problema de saúde, pois se está sentindo dor é possível que reaja com agressividade, mas isto apenas um veterinário poderá constatar. Infelizmente o seu relato está muito deficiente de informação e dificulta a orientação a respeito do caso. Entretanto, se não aconteceu nenhum evento traumático com o seu cão durante os passeios, é possível que ele já demonstre agressividade em outras situações e agora passou a ser agressivo também na rua. Geralmente os cães antes de serem agressivos de fato (o que é percebido pelos tutores) já demonstram […]

    Dúvida do leitor: Meu cão passou a ser agressivo depois de adulto, e agora?

    Recebi da querida Emmanuelle para divulgação e repasso. Aproveitem

    CURSOS em Blumenau: adestramento (14/7) e alimentação natural (15/7)!

    3 de julho de 2012Emmanuelle Moraes, Eventos

    EXCLUSIVO – A leitora Daiane Ouvernay escreveu com uma dúvida (abaixo) que também serviu para o leitor Jorge Lerche, que adotou um gato que não está se ambientando bem com o outro felino da família. Pedi à querida amiga educadora canina Emmanuelle, da Cão em Casa – Treino e Comportamento Animal. Leia também: Distraia seu bichano!! Alternativas para manter seu gatinho ocupado, feliz e seguro, dentro de casa. Boa noite Em primeiro lugar, gostaria de mencionar que sou visitante assídua do site “Mãe de Cachorro”. Tenho um gato que é a felicidade da casa, um membro da família. Ele está comigo há um ano e vive dentro de casa (nunca saiu) e é filho único e, como tal, é extremamente mimado. Tentei adotar outro gato, mas tive problemas pois o Julian simplesmente ficou agressivo comigo, chegando a me arranhar ferozmente, além de não usar a liteira. Resultado, tive que devolver o novo gato. Procurei em diversos sites posts sobre o assunto “ciume” e o que encontrei foi insuficiente e superficial. Procurei no site de vocês, mas não encontrei nada relacionado. Gostaria de saber se há algum post sobre o assunto e se há, poderiam me mandar o link? Gostaria de saber sobre os “sintomas” do gato quando está com ciúmes, principalmente p mamães de primeira viagem como eu. Desde já agradeço. Daiane. Aí vai a resposta da Emmanuelle! Esperamos que seja útil para mais mamães e papais de gato. Oi Daiane, abaixo deixo algumas considerações sobre o teu caso: A agressão entre felinos pode ter uma variedade de motivos, dentre elas a territorial. Como você mesma menciona acima, o Julian é filho único e nunca saiu de casa. Imagino que ele também não deva ter sido socializado com outros gatos, muito menos que isso deva ter sido feito na fase ideal […]

    Dúvida do leitor: Como apresentar e socializar gatos estranhos?

    Pedi pra minha querida amiga Emmanuelle fazer um texto nos ensinando como evitar acidentes fatais com cães e piscinas por que toda hora alguém me conta a triste história de um afogamento… Espero que ajude muitos peludos! Como o assunto abordado neste texto é “ensinar o cachorro a sair da piscina”, é possível vir à mente que eu vá explicar como ensinar o cão a subir a escada, ou sair pela borda, porém não é sobre isto que falaremos aqui. Morte de cães por afogamento em piscinas residenciais é algo mais comum do que imaginamos. Basta um descuido por parte do tutor para que aconteça um acidente. Eu mesma já soube de um caso em que uma ninhada inteira morreu afogada. Quando os tutores acordaram no outro dia, não havia mais nada a ser feito. Assim como uma criança sozinha e piscina não combinam, com cães a regra não é diferente. Filhotes não devem ter acesso à parte da casa que tem piscina sem supervisão. A regra é simples: “Se não possui tempo de supervisioná-lo, então não permita o acesso”. Já com os cães maiores é possível tomar algumas medidas para impedir acidentes. Abordarei um tema que é indicado em tais casos e até em outras tantas situações do convívio com o cão. Já escutou falar em GESTÃO DE AMBIENTE? Gestão de ambiente é adequar o local onde o cão vive em prol de algum benefício específico ao animal, de forma a evitar que um comportamento indesejado seja reforçado,  que seja criado ou que um acidente venha a acontecer. No caso do assunto tratado aqui, o objetivo é evitar que um acidente ocorra, para isto vale adaptar algumas coisas no ambiente em que o cão vive, de forma a garantir a sua segurança. As opções são as seguintes: Suporte para […]

    EXCLUSIVO: Como ensinar um cachorro a sair da piscina?

    texto originalmente postado em 12/12/2010 E por falar em sonhos… A querida Cássia, do Para quem gosta de Cachorros, abordou um tema que me interessa e que está em pauta aqui em casa. Já faz um tempinho que o Shoyo foi banido da cama (pra tristeza dele e minha) e hoje ele dorme na caminha dele, oras ao lado da minha, oras fora do quarto (mas daí nunca por vontade própria)… Tomei a decisão porque ela está enquadrada em um “pacote” de ações que a educadora canina (e fofa!) Emmanuelle Moraes me passou para reduzir a ansiedade de separação do meu “sombra” amado… Com a morte do Sushi no fim do ano passado, ficamos todos não só profundamente deprimidos, mas meio pirados por aqui, e o Shoyo virou o centro das atenções e cuidados, algo que pouco depois já comecei a perceber não estar fazendo psicologicamente bem a ele. Em outra ocasião voltarei no assunto e farei um post só sobre ansiedade de separação, mas agora deixo a indicação do post da Cássia pra nós, que você lê na íntegra clicando aqui e tem uma amostrinha abaixo: O cão é um animal social que está intrinsecamente inserido na rotina de sua “família humana”. Se pensarmos nos ancestrais lobos, eles costumam dormir juntos, aninhados, pois assim conseguem se proteger melhor, ficando menos vulneráveis, além de se manterem aquecidos. Para os cães, dormir próximo aos humanos equivale a estar próximo de sua família! Alguns já se manifestam favoravelmente a esta proximidade na hora de dormir, alegando que trata-se de um fator que aumentará o vínculo afetivo entre cão e seu dono. Mas, por outro lado, a análise desta situação tão cotidiana hoje em dia deve levar em conta consequências importantes, relacionadas a saúde e ao comportamento do cão. Em geral, cães que […]

    Dormir junto ou não? Eis a questão!

    EXCLUSIVO – Recebi o comentário abaixo no Facebook e achei interessante demais. Pedi então que a Cássia Santos do Cão Amor, a Sara Favinha da Tudo de Cão e a Emmanuelle do Cão em Casa o comentassem, para que pudesse ter um post super completo sobre o assunto. Aproveitem! Enviado em 20/01/2012 as 10:39 am Bom dia, gostaria de saber o que faço com meu cão, pois ele já está com 2 anos e como trabalho fora de casa não tive tempo de socializá-lo com outras pessoas e animais, todo final do dia brinco com ele mas sem contato com outras pessoas/animais. Agora ele é bastante agressivo com visitas e na rua também é dificil passear com ele, porque quer atacar tudo e todos, quando foca em algo é muito difícil conseguir a atenção dele, nem petisco atrai. É um macho SRD de porte pequeno, pesa em torno de 7 kg. Agradeço se puder me orientar. Resposta da Cássia: O comentário recebido no Mãe de Cachorro comprova, de forma bastante clara, o quão importante é um bom trabalho de socialização com o filhote de cão. Os cachorros são animais sociais por natureza e, instintivamente precisam viver em grupo. Mas, hoje em dia, muitas pessoas acabam descuidando da socialização na tenra idade, na fase em que o filhote está em formação e não se preocupam em apresentá-lo ao maior número possível de situações, pessoas e outros animais (da mesma espécie ou não). Assim, o ambiente seguro, para ele, será somente aquele onde estejam pessoas conhecidas. O chamado período de socialização, que vai do 50º ao 85º dia de vida, corresponde à fase em que o cérebro do filhote está neurologicamente mais apto ao aprendizado de novas experiências. Assim, o pequeno cãozinho, durante este período, deve ser apresentado ao maior número possível de […]

    Dúvida do leitor: A importância da socialização dos cães!

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados