• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Listas de veterinários

  • Receba os posts por e-mail:

    Coluna de hoje traz informações sobre males comuns em fêmeas que não passaram pelo procedimento. Tumores Tumores malignos nas glândulas mamárias e câncer de mama têm atingido cadelas e gatas não castradas em números alarmantes. De acordo com a Sociedade Veterinária de Cirurgia Oncológica dos Estados Unidos, entre 23 a 34% das fêmeas não castradas desenvolvem algum tipo de tumor maligno nas mamas conforme envelhecem. Enquanto as causas específicas de tumores benignos e malignos continuam desconhecidas, evidências claras apontam que o crescimento das glândulas mamárias e dos hormônios durante o cio está associado ao surgimento dos tumores malignos. Continue a ler clicando aqui.

    Conheça três doenças fatais que acometem cadelas e gatas não castradas!

    Mamas felinas Gatos têm oito glândulas mamárias divididas em duas cadeias, com quatro de cada lado. Cada cadeia de glândulas é conectada por dutos linfáticos e veias de sangue. Cada glândula mamária tem seu próprio mamilo e produz seu próprio estoque de leite. Fatores de risco Os hormônios sexuais têm um impacto profundo no risco do desenvolvimento do câncer de mamas. Fêmeas não castradas são muito mais propensas a desenvolver a doença do que as castradas. De acordo com um estudo da publicação norte-americana Journal of Veterinary Internal Medicine, a incidência dos tumores mamários é reduzida em 91% em gatas castradas antes dos seis meses de vida e em 85% nas castradas antes de um ano de vida. Gatos siameses e persas são os que mais desenvolvem a doença, o que pode refletir também nos que têm estas raças misturadas em seus genes. Sintomas Caroços nas glândulas mamárias, ou perto delas, nunca são normais. Fique de olho em secreções saindo dos mamilos (claras, leitosas ou sanguinolentas), atenção para feridas que não cicatrizam e para tecidos mortos ou úlceras no lugar do tumor. Continue a ler clicando aqui, ou na ilustração.

    Câncer de mama é uma doença comum e muito agressiva em gatas não castradas.

      E mais: Prefeitura de Florianópolis solicitará ao Governo do Estado a criação de uma Delegacia Especializada na Proteção Animal! Parceria Atendendo à convocação do Secretário Municipal de Saúde de Florianópolis, Daniel Moutinho Jr., o assessor jurídico da Casa Civil, Vinícius Ouriques e o Diretor da Diretoria de Bem-Estar Animal (DIBEA), Eduardo Cavallazzi, finalizaram o Termo de Cooperação de Trabalho Voluntário entre a Prefeitura Municipal de Florianópolis e a ONG Organização Bem Animal (OBA). O termo disciplinará a atuação da ONG no projeto de sua autoria, a Cão Terapia, e também o auxílio de seus voluntários no trabalho de triagem, divulgação e monitoramento das adoções realizadas pela Prefeitura de Florianópolis. Vitória da Organização, que desde 2007 realiza um belo trabalho junto aos animais do Canil Municipal e que não era amparado por nenhum termo legal. Delegacia de Proteção Animal Na mesma oportunidade será assinado o documento que solicita ao Governo do Estado, através da Delegacia Geral da Polícia Civil, a instalação da muito esperada e necessária Delegacia Especializada na Proteção Animal, nos mesmos moldes das que já existem em São Paulo e em Minas Gerais. O documento será assinado em parceria com a Comissão dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil/SC, na pessoa de sua presidente, Maria Helena Machado. Câncer Cães que convivem com fumantes têm 60% mais chances de desenvolver câncer de pulmão e podem ter alergias de pele e asma. Em uma pesquisa do Centro de Saúde Henry Ford (Michigan,EUA), feita com 3.293 responsáveis por cães e gatos, 28,4% deles declararam que se soubessem que o fumo passivo é uma realidade com trágicas consequências também para animais de estimação, teriam deixado de fumar. Interessante, não? Precisando de (mais) um incentivo para largar o cigarro? Aí está! Fumaça Cães e gatos têm uma exposição extra ao […]

    Como o fumo pode prejudicar a saúde de animais que são fumantes passivos.

    Resolvi juntar os posts todos aqui do blog sobre peludos que convivem com fumantes e peguei mais um lá no blog Dicas Peludas. Também vale clicar na imagem para ler um artigo em inglês sobre o assunto. Boa leitura e boa semana. É proibido fumar! Malefícios do cigarro para os filhos de patas Mais sobre cigarro e seus impactos para os peludos… Como o cigarro afeta os peludos

    Cães, gatos e cigarros!

    5 de agosto de 2013Câncer, Cigarro, Saúde

    (post de agosto de 2009) Sexta passada fiquei sabendo que uma conhecida minha cruzou sua yorkshire, que teve três filhotes. Detalhe: a cadela dela já era yorkie-lata e foi comprada como puríssima em uma petshop que compra filhotes de cães e gatos e os revende com 100% de lucro [quando não mais] e de cuja dona ouvi a pérola “Enquanto vocês doam um, eu vendo trinta!“. Humm, por que será que doamos tão pouco, né? Bem… Voltando aos filhotes da yorkie: como eu sabia que minha conhecida tinha voltado na petshop pra fazer rolo e reclamar porque a cadela era fora do padrão da raça e ela pagou pedigree e tal, fiquei ainda mais abismada de mesmo assim ela a ter cruzado. Agora, pasmem com o motivo [e eu já não fico mais surpresa, porque não é a primeira nem a décima vez que escuto este absurdo]: ela foi ao veterinário para castrar sua yorkshire e ouviu dele que antes deveria tirar uma cria primeiro. Claro que sim, pelo bem do santo bolso dele, obviamente!Não é pra mandar cassar o diploma de um infeliz desses? A pessoa querendo castrar não só para promover saúde do seu animal, mas também preocupada com a superpopulação de animais que terminam nas ruas [ainda esta semana resgataram uma yorkshire no CCZ de Floripa] e um imbecil de um veterinário, que por obrigacão deveria orientá-la, diz que ela deve cruzar sua cadela antes de castrar. A troco do quê é o que eu gostaria de saber. Qual a desculpa científica para esta ignorância de conselho? Porque só consigo pensar em uma coisa: lucro [e se houver alguma justificativa plausível, digam-me porque faço questão de depois vir aqui no blog me retratar e contar a todos o motivo de algo que no momento só consigo considerar […]

    Preciso cruzar minha cadela antes de castrar? A resposta é NÃO!

    Como os cães, gatos também sofrem nas terríveis fazendas de filhotes e na falta de conhecimento de tutores que os cruzam sem o menor conhecimento sobre reprodução, principalmente no que diz respeito à idade fértil de machos e fêmeas. Aproveitando o gancho levantado pelo post “Cadelas entram na menopausa?”, procurei o dr. Carlos Gabriel Dias, um querido veterinário especialista em felinos domésticos que me segue no Twitter, para responder algumas questões sobre o ciclo reprodutivo dos bichanos. Mãe de Cachorro – Com que idade acontece o primeiro cio nas gatas? Dr. Carlos Gabriel – O primeiro cio (chamado cientificamente de estro) das gatas domésticas é influenciado por vários fatores, inclusive presença de outros gatos exibindo comportamento sexual, número de horas de luz e raça. Assim, podemos observar gatinhas exibindo o primeiro cio aos 4-5 meses até 14 meses de idade. MDC – Com que frequência elas entram no cio? Dr. Carlos Gabriel – Também pode variar muito. Pode parecer que eu estou sendo bastante inespecífico quanto às respostas. Quando falamos sobre cães, apesar das variações fisiológicas, existe certa regularidade nos intervalos e parâmetros fisiológicos. Por exemplo, as cadelas geralmente exibem o cio com intervalo de 6 meses. Mas, gatas domésticas são bastante peculiares quanto ao comportamento reprodutivo. O que poderíamos dizer é que o cio dura em média 7 dias e que vão existir vários ciclos de 7 dias até que ela seja coberta ou termine o cio. Esses períodos de vários ciclos de cio podem variar bastante. MDC – Qual a idade fértil dos gatos (machos e fêmeas)? Dr. Carlos Gabriel – Pode-se dizer que a idade fértil ideal é de 2 a 7 anos. Neste período a gata doméstica apresenta índices bem sucedidos de gestação e parto. Antes de dois anos e até o final da vida, elas apresentam cios irregulares que […]

    E as gatinhas, têm menopausa? (+ dúvidas sobre reprodução de gatos)

    22 de maio de 2013Câncer, Gatos, Saúde

    Recebi a seguinte dúvida nos comentários do blog: Ana, a Mimosa tem 11 anos,minha dúvida é a seguinte : cachorra entra na menopausa ? ela nunca tomou vacina para naõ emgravidar e só cruzou uma vez e os filhotes eram prematuros , morreram todos , mas ela naõ os quiz eu tentei salva-los mas imfelizmente morreram , isso faz 3 anos a veterinaria disse que ela ja era idosa… obrigado – Por Conceiçaõ A. Santos (Conce ) Para responder, fiz uma pesquisa rápida na internet e a resposta é NÃO! Cadelas não entram na menopausa! Mas vamos lembrar que: Castrar evita inúmeros problemas de saúde, fugas e demonstra uma atitude responsável e socialmente consciente da parte do tutor do animal, seja cão ou gato, macho ou fêmea, pois é um animal a menos contribuindo para a superpopulação de animais de rua. Não se iludam, por mais criterioso(a) que você seja, eventualmente algum descendente do(a) seu(sua) peludo(a) irá sofrer maus-tratos ou abandono. Maus-tratos incluem falta de cuidados básicos e, inclusive, falta de atenção e amor. Você quer MESMO ter esta co-participação na vida de um animal? Abaixo, três das fontes pesquisadas sobre a menopausa em cadelas: “ ‘Cio seco’: Algumas cadelas não apresentam sangramento durante o cio. Nessas fêmeas, é muito mais difícil identificar o momento certo para o acasalamento. Para quem tem um casal de cães e não tem muita experiência, isso é um problema pois os acasalamentos indesejáveis poderão acontecer. Algumas pessoas, por não perceberem sangramento na fêmea, acham que seus animais nunca tiveram cio. Cadelas mais velhas podem apresentar cio seco. As fêmeas têm cio até o final da vida. Não existe a ‘menopausa’ em cadelas.” Silvia C. Parisi – médica veterinária – (CRMV SP 5532) – Webanimal “As cadelas não entram na menopausa, diferentemente dos humanos. Mas, […]

    Cadelas entram na menopausa?

    20 de maio de 2013Câncer, Piometra, Saúde

    Pedi ao Dr. Marcos Fernandes para fazer um texto para o Mãe de Cachorro sobre os perigos das injeções anticoncepcionais* para cadelas e gatas porque venho recebendo alguns e-mails e contatos de leitores que ainda utilizam este método contraceptivo, o que muito me espanta, não tanto por conta do uso por parte dos responsáveis por peludos, mas por ainda haver veterinários que se prestem a cometer um absurdo destes. Pior, há pouco tempo visitei uma tia cachorreira que não visitava há um tempo e qual não foi minha surpresa ao saber que ela havia dado a tal injeção em sua mais nova adotada (felizmente foi uma vez só)? Para piorar, perguntei o nome do veterinário que fez uma barbeiragem dessas e não só sei quem é, como ele ainda faz castrações para uma ONG de Floripa. Fala sério! Mandei castrar correndo não só a pequena, mas mais duas que ela havia recém recolhido das ruas. Aliás, acho que muito da minha essência cachorreira devo a essa minha tia. Quando eu a visitava em férias, ficávamos vendo revistas e livros sobre cães e ela fazia desenhos de cães pra mim. Na casa da minha vó, por conta dessa tia que mora com ela até hoje, é sempre um entra e sai de cães resgatados e doados e ainda assim, tão próxima a mim, lá estava a mesma história de sempre, a pessoa procura o veterinário e confia nele, sem nem cogitar que ele possa estar fazendo algo que poderá matar quem jurou defender e curar… Eita, vida! Dá até um desespero, porque por mais que eu passe os dias a ajudar pessoas e peludos, ainda tão perto de mim acontece esse tipo de coisa, o que me deixa num estado de ansiedade terrível, arf! Vamos logo ao texto (desculpe, mas fico […]

    Injeções (e comprimidos) contra o cio para cadelas e gatas: NÃO USE jamais!

    17 de maio de 2012Câncer, Gatos, Piometra, Saúde

    Não consigo deixar de falar deste assunto repetidas vezes, principalmente quando sou deparada com exemplos diários de sofrimento de cães e gatos, dor que teria sido simplesmente INEXISTENTE se as pessoas abrissem sua mente para a castração e para a questão da NÃO reprodução de seus animais de estimação. Há algum tempo, mais precisamente no dia 26 de maio de 2011, eu estava dirigindo quando vi o cãozinho das fotos acima, com sua corrente arrastando, correndo atrás de um grupo de cães atrás de uma cadela no cio. Tentei pegar a cadela e ele, mas algumas ruas depois, só consegui capturar o pequeno fujão, e isso graças à corrente, presa a sua coleira metálica por um cadeado novinho. Voltei com ele no carro para a rua onde o vi pela primeira vez e saí batendo de casa em casa, até que achei uma senhora que disse “Lá naquela casa azul da esquina tem um que parece ele, vai lá ver.”.   FELIZMENTE o morador da tal casa azul sabia de onde o pequeno era e contou “Esse aí vive pelas ruas, pode deixar que ele volta sozinho”. E eu, “Mas senhor, e essa corrente arrastando? Ele vai ficar preso ou vai tentar voltar atrás da cadela no cio.“. Diante da minha cara meio de tristeza, meio de “não quero essa resposta”, finalmente ouvi, “Eu levo ele em casa, dona, amarra ele aí no meu portão que já vou.“. Ainda enrolei para ir embora, só para conferir se o senhorzinho ia mesmo fazer o prometido. Ele, muito querido, pegou um de seus cães para passear e lá se foi pelas ruas, devolver o pequeno namorador. Eu, metade feliz, metade triste, chamei a vizinha que havia dado a dica da casa azul para contar do fim da história. Por uma daqueles ironias […]

    Castração, por que não?

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados