• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Todos os dias recebo e-mails e/ou ligações com as mesmas dúvidas: “Vi um cachorro doente na rua“, “Tem uma cadela grávida ou no cio na minha rua“, “Achei uma caixa com filhotes“, ou ainda “Vou me mudar, o que faço com meus cães/gatos?“. Gostaria que todos os que me escrevem/ligam entendessem o seguinte: as pessoas que ajudam os animais fazem a mesma coisa que qualquer pessoa que quer ajudá-los, inclusive você, pode fazer. Estas pessoas gastam tempo, dinheiro e muita energia os ajudando, não é nem justo que ainda tenham que dar conta dos animais que outras pessoas encontraram. Não há um lugar mágico e agradável para onde levá-los. Não há uma conta bancária de onde sairá dinheiro infinito para comprar remédios, pagar veterinários etc. Então, por favor, leiam com atenção: Tem um cachorro abandonado/doente/machucado no meu caminho… Se você teve coração para se comover e quer socorrê-lo, o passo-a-passo de quem ajuda cães/gatos é o seguinte: Recolher o animal da rua; Levá-lo a um veterinário (já peguei táxi, já fui a pé, já chamei amigos, já pedi carona…); Em casos tratáveis, pagar o veterinário, os gastos com o tratamento e, se for o caso, com hospedagem até o animal ficar bom (conheço pessoas que fazem empréstimos, vendem objetos pessoais, fazem rifas e ações entre amigos, mas nunca, jamais, deixaram de ajudar um animal porque não tinham dinheiro); Castrar o animal (há clínicas que fazem esta cirurgia por um preço social e há prefeituras que fazem de graça. Aqui sim você pode me escrever dizendo qual seu bairro/cidade para eu pesquisar um local que possa lhe dar descontos etc.); Tirar fotos para anunciar este animal por meio de e-mails, sites e cartazes. Anunciar em jornais é uma das melhores maneiras de divulgá-lo. A partir de hoje só divulgarei animais no […]

    Achei um cão na rua, e agora?

    Fico tão feliz quando conheço histórias de carinho, sucesso e amizade envolvendo vira-latas que vocês não imaginam… Apesar de eu ter esta leva de filhos de raça, meu coração sempre foi dos virinhas e todos os meus outros cães foram sem raça definida. No futuro, pretendo só adotar vira-latas, só não pra prometer por que hoje tem tanto cachorro de raça pra doar que vai saber… Mas que pra mim não tem cachorro melhor do que o resgatado das ruas, isso não tem. Clique aqui para conhecer o Dic, um super cão que recebeu a chance de provar seu valor e não desperdiçou. Abra seu coração para um cão de rua, você vai se surpreender!!! Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Dic: o super vira-lata!

    Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Preciso escrever algo?

    Vocês acreditam que há pessoas que procuram voluntários e protetores pedindo ajuda para doar seus cães/gatos, companheiros de uma vida a quem chamam de filhos e dizem ‘amar muito’, mas deixando bem claro que, se não os ajudarmos a conseguir um novo lar para os animais, irão ABANDONÁ-LOS ou MATÁ-LOS (eutanásia é a palavra usada para disfarçar o assassinato)?? São pessoas que conheceram o trabalho de terceiros em prol dos animais e mesmo assim têm a CARA DE PAU de escrever com a desculpa esfarrapada de ‘pedir ajuda’, quando na verdade tudo que querem é transferir uma responsabilidade que é deles. Como se protetores tivessem casas com quintais mágicos, verdadeiros paraísos para recolher cães e gatos que viram, de um dia para outro, LIXO VIVO! Isso sem mencionar que devem pensar que protetores têm uma conta bancária com crédito infinito e um dia com 48h. Não sei quem as pessoas acham que protetores de animais e voluntários são,  talvez seres fantásticos e não pessoas comuns, com contas a pagar, famílias, cães, gatos e casas a cuidar. Para vocês, escória humana, dedico este texto na esperança de reverter tanta maldade e fazer nascer um pingo de decência em seus corações, já que consciência é algo que vocês desconhecem. Encontrei seu Cão Autor desconhecido Hoje encontrei seu cão. Não, ele não foi adotado por ninguém. Aqui por perto, a maioria das pessoas já têm vários cães; aqueles que não têm nenhum não querem um cão. Eu sei que você esperava que ele encontrasse um bom lar quando o deixou aqui, mas ele não encontrou. Quando o vi pela primeira vez, ele estava bem longe da casa mais próxima e estava sozinho, com sede, magro e mancava por causa de um machucado na pata. Eu queria tanto ser você naquele momento em que […]

    Para você, que abandona animais e ainda tem a cara de pau de pedir ajuda…

    O Governador de São Paulo, José Serra, sancionou o Projeto de Lei 117/08, de autoria do Dep. Feliciano Filho (PV). Segundo texto do próprio Deputado que circula pela internet: “A partir de agora os CCZs, Carrocinhas, Canis Públicos e Congêneres de todo o Estado de São Paulo, ficarão proibidos de sacrificar animais sadios, sendo apenas permitida a eutanásia em animais que apresentem males ou doenças incuráveis, ou enfermidades infecto-contagiosas que coloquem em risco a saúde pública, devendo ser justificada por laudo técnico que ficará à disposição das entidades de Proteção Animal e de todos.O poder executivo poderá desenvolver programa que vise o controle reprodutivo de cães e gatos e outras medidas como identificação e registro dos mesmos.” É uma ÓTIMA notícia, mas que exige outra medida fundamental: o encaminhamento dos animais salvos. Qualquer pessoa que já foi a um abrigo super-lotado sabe que só salvar não basta, é necessário dar uma vida digna e encaminhar para adoção quanto antes (está aí também o post sobre o canil da Dona Olga, que mostra bem essa realidade de canil lotado).Engraçado que ontem mesmo postei sobre o CCZ de Ubatuba e sua bem-sucedida campanha de doação de animais. Se o título de ontem era “Exemplo para todas as prefeituras” o de hoje poderia muito bem ser “Exemplo para todos os Estados”. Clicando aqui você lê um ótimo texto sobre o controle populacional de cães e gatos.Como sempre, a saída é a dupla ‘castração – educação‘.Veja este trecho: Nos EUA, a política de eliminação durou até o início dos anos 1970, quando os primeiros programas de controle animal, tanto nos Estados Unidos quanto no Canadá tiveram início, com campanhas de castração, leis e conscientização. Três décadas dessas iniciativas nos EUA reduziram o número de mortes em mais de 50%, além de praticamente acabar com […]

    Governo de SP proíbe sacrifício de cães e gatos nos CCZs DO ESTADO!!!

    O alcance da mídia é algo impressionante.Logo cedo a Fran (mãe da Dorothy) me ligou contando que parte da minha mensagem de ontem estava na coluna do Cacau Menezes, depois, quando fui ler meus e-mails, já tinha mensagem da Baiana e da Tê, amiga querida que defende os bichinhos lá em Tubarão, sobre o assunto. Abaixo, o fim da história da família de gatinhos… Espero, de coração, que a nota sirva para chamar atenção das pessoas para a problemática dos animais de rua, que certamente seriam em número absurdamente menor se todos castrassem seus animais de estimação. É, minha gente, não é só cachorro de pobre que acaba nas ruas, não. Tem muito cachorrinho de madame (ou descendente de) vagando por aí… 20 de março de 2008 | N° 8012 Cacau Menezes O consolo “Acabo de ler a sua coluna sobre a morte do gatinho e gostaria de fazer algumas considerações: vivemos em uma cidade com milhares de animais abandonados/maltratados e onde a ignorância impera, já que as pessoas não castram seus bichos de estimação e eles geram milhares de descendentes ao longo dos anos. Depois, gostaria de pedir o seu perdão aos cães que atacaram os gatinhos. Como você mesmo falou, são animais que habitam as ruas. Sem comida, sem carinho, sem abrigo, vivem de restos e estão bem próximos do estado natural de carnívoros que são. Por mais que amemos os animais e os estejamos humanizando, estes têm seus instintos, que devem ser respeitados. Claro que temos pena, mas não podemos culpá-los, irracionais que são, ao agirem por instinto. Muito pior, prezado Cacau, são os humanos, que, dotados de inteligência, cometem atrocidades contra os animais, com certa preferência sádica pelos gatos, que têm bombinhas amarradas a seus rabos, que são jogados para o alto e, como não são […]

    O fim da história dos gatinhos…

    20 de Março de 2008Animais de rua, Notícias

    Ai, ai… Eu não gosto de postar mais de um texto por dia, já tinha postado sobre as gralhas logo cedo, mas acabo de ler algo que merece comentário e não dá para deixar para amanhã.Mais abaixo, reproduzo uma nota da coluna do Cacau Menezes de hoje e também o e-mail que enviei a ele e peço a vocês que também escrevam com seus comentários sobre a morte do gatinho para cacau.menezes@diario.com.br .Fui obrigada a escrever ao autor da coluna, por que a ignorância impera entre os humanos e tenho medo de que o texto publicado no Diário Catarinense de hoje sirva de munição contra os cães que, como sempre defendo, não passam de vítimas nossas. Espero que diversas pessoas façam o mesmo, assim quem sabe o Cacau escreva mais sobre o assunto dos animais de ruas, tão alarmante e urgente aqui em Floripa. 19 de março de 2008 | N° 8011 Cacau Menezes Um dia triste Nunca criei nenhum bicho em casa. Gostava muito, quando criança, de ver o boizinho e a vaquinha no campo, o passarinho nas árvores, a ovelhinha pastando nos filmes ingleses, os patos do riozinho do “seo” Nina, as galinhas do seu Hantz, e respeitava aqueles que tratavam os gatos e cachorros como membros da família, levando-os, inclusive, para a mesma cama. Como agora sou pai de duas crianças, Manoel, de 11 anos, e Maria Cândida, de oito, e morando numa casa com mais espaço, com muitos pássaros e até um lagarto, que veio passear e acabou ficando, há um mês uma gata se chegou, gostou do rancho e deu aqui mesmo à luz três filhotinhos. E foi ficando. As crianças logo pegaram amor e adotaram os quatro gatinhos: a mãe e os três filhinhos. O pai se mandou. As quatro ficaram conosco. Já estavam […]

    O gato assassinado.

    19 de Março de 2008Animais de rua, Gatos, Notícias

    Ontem fui no show do Dazaranha, na Lagoa da Conceição. Fazia tempo que eu não ia até a parte da Lagoa que ‘ferve’ na noite. Sabem como é, vidinha de casada, saindo só para comer, comer, comer, eu acabava ficando mais na entrada da Lagoa, por onde fica o Nigiri, aquela coisa, né? Meu vício em sushi é notório… (Enquanto isso, não é só a pança dos filhos que cresce, mas tudo bem.)Aqui em Floripa todo mundo sabe que a Lagoa é um dos bairros com maior concentração de cães de e na rua (mesmo com tutores). Acaba que ontem, noite linda de lua cheia, acho que os peludos resolveram sair pra festa e comemorar a Lua Mãe, que atinge a todos, queiramos ou não. Eu, particularmente, adoro dar a minha ‘uivadinha’ básica. Faço questão de manter acesa dentro de mim a Loba que toda mulher deveria cultivar, mas que a maioria simplesmente mata (aliás, mulheres do mundo, o livro “Mulheres que correm com os Lobos“ deveria ser a Bíblia de todas nós). Mas voltando aos cães: estava lá o Dorminhoco, dormindo profundamente na calçada, todo esticadão, no meio do povo, bem no meio do agito dos barzinhos. E o povo em volta, desviando. Também saiu para a festa o tipo de cachorro que eu seria, o “Detesto Motos“. Havia uma dupla de machos amarelos, um maior, outro mais baixo, ‘entroncadinho’. Os dois, na maior cara de pau, assistindo um casal subir na moto e se posicionando para depois sair avançando atrás e eu, parada do outro lado da rua, só de olho pra dar piti se o cara fosse malvado (ou malino, como dizemos por aqui na Ilha) com eles, que só deram o showzinho e logo voltaram pra calçada 100% ‘se achando’. E não dá para esquecer os que estavam simplesmente […]

    Noite de Lua Cheia…

    23 de Fevereiro de 2008Animais de rua, Mãe de Cachorro

    Oi… Voltei. Cheguei ontem de manhã, mas o trabalho continua loucura-loucura, a vida idem e eu, para o bem da verdade, estava era me enrolando para escrever… foto: Achei na net, mas mostra bem o que eu queria…O mendigo dormindo e seu fiel cão, zelando.. É que estou muito melancólica, voltei de Sampa com o coração apertado, a atenção voltada ainda mais para as desigualdades do mundo. É muito triste ver tanta riqueza e tanta pobreza, em escala tão grande. Não que aqui em Floripa também não seja assim, claro que não. Mas ver de outro ângulo, em outra dimensão, mexeu comigo. Mãe de cachorro que sou, sempre que viajo tenho o olhar voltado à posição do cão na cidade/cultura que estou visitando. Em São Paulo vi muitos moradores de rua com seus cães, zelosos e atentos, guardando seus amigos/companheiros de miséria. E isso não me tem saído da memória… Sei lá, estou meio cabisbaixa, triste, chateada mesmo. De tudo, o que mais marcou, é a fidelidade absoluta, irrestrita, indiscutível e incondicional dos cães… Mais uma vez, ainda e sempre… Ao procurar uma imagem para ilustrar este post, achei uma página com dois textos tratando da fidelidade canina. Um deles conta a história verídica de um cão e seu tutor, mendigo, os dois, por coincidência (?) de São Paulo. Clique aqui e leia… Este artigo pertence ao Mãe de Cachorro Também é Mãe. Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    São Paulo, o mendigo e o cão…

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados