• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Prós e contras de deixar cães brincando sem guia em parques caninos e outros locais seguros.

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 29 de outubro de 2013

    One Days Garbage   Dog Park Reopens

    Este texto é uma tradução/adaptação de um artigo do site Animal Humane Society. Tradução e adaptação: Ana Corina.

    A popularidade dos parques para cães tem aumentado bastante as oportunidades para cães e seus tutores brincarem: alguns vão a parques com seus peludos, outros organizam encontros em grupo, há quem opte por “creches caninas” e também os que fazem saídas em turma, mas com números menores de cães que já se conhecem para que possam interagir e brincar. Por conta de tanta popularidade, muitos tutores acham que seus cães precisam ficar soltos nestas oportunidades para que possam estar felizes e mentalmente saudáveis. A questão é: o que o cachorro acha disso tudo?

    Brincar faz parte de uma importante parte da vida de cães jovens, especialmente dos filhotes. Além de gastar energia de maneira saudável e segura, a brincadeira ensina a eles como se comportar com diferentes tipos de cães. Brincando, filhotes e cães jovens aprendem regras de “educação”, como controlar a força da mordida e como brincar apropriadamente e serve como “vacina” contra comportamentos agressivos quando forem cães adultos.

    Cães no período da adolescência continuam a ser educados quando estão na presença de cães mais velhos e bem socializados, que ensinarão limites sem lhes causar mal. Sem essa experiência de convivência, cães adolescentes podem brincar de maneira agressiva demais quando ficarem adultos, o que pode resultar em brigas.

    Em geral, cães socialmente maduros demonstram interesse mínimo em brincar. Sempre há as exceções, algumas raças (como as de cães de esporte) podem ter uma adolescência prolongada, com um comportamento brincalhão durando mais do que os dois ou três primeiros anos de vida. Em geral, entretanto, cães maduros – principalmente as fêmeas – não precisam e nem gostam de muito tempo brincando fora da guia.

    Como já citado anteriormente, cães adultos bem socializados ainda podem brincar e interagir com os mais jovens, desencorajando comportamentos indesejados e brincadeiras agressivas (através de contato visual e linguagem corporal).

    Pense nesta analogia humana: enquanto é comum ver crianças brincando e interagindo de maneira mais barulhenta, empurrando-as umas às outras, isto já não costuma acontecer entre adultos. O mesmo pode ser dito dos cães: brincadeiras são mais comuns entre cães filhotes e adolescentes do que entre cães socialmente maduros.

    Como saber se nosso cachorro está se divertindo em um encontro com outros cães? Procure pelos sinais abaixo enquanto os cães estiverem juntos:

    Pseudo-brigas: “brigar” de mentira, usando pouca força (mordendo levemente, prendendo o outro cão com a boca, mas gentilmente e por pouco tempo etc.).

    Troca/alternância de papéis: primeiro um corre atrás, depois o outro, sendo que eles invertem os papéis de “caça e caçador”, primeiro eles fingem “brigar”, depois ficam quietos descansando, primeiro um brinca por cima, depois o outro etc.

    Atividades pontuadas pelos sinais corporais de brincadeira:

    • caretas: boca aberta, cara de “sorriso”
    • movimentos exagerados (como que se balançando): corpo pra cima e pra baixo e para os lados (exagerando movimentos)
    • patas elevadas, cotovelos abaixados em direção ao chão
    • brinca, para, brinca novamente
    • corpo solto, nada tenso

     

    Com estes comportamentos em mente, que tipos de cães não serão beneficiados por brincadeiras fora da guia (estamos falando de locais seguros, como parques para cães, quintais cercados etc.)?

    Cães agressivos, medrosos, reativos e/ou mais velhos/idosos provavelmente ficarão melhor em outros tipos de atividades. Muitas pessoas bem intencionadas trazem seus cães para estes locais (parques caninos etc.) para os socializar, mas vale repetir que a socialização só acontecerá e será bem sucedida se o cachorro tiver prazer com ela. Simplesmente soltar um cão medroso ou reativo no meio de vários outros fará mais mal do que bem e esses tipos de cães serão mais beneficiados por interações planejadas com apenas um ou dois cães já bem socializados e calmos.

    Infelizmente, muitas pessoas desconhecem os sinais de estresse canino e pode não saber reconhecer se seu peludo está com medo ou sobrecarregado. Use os “bons sinais” mencionados anteriormente como um ponto de partida para observar seu cachorro quando ele interagir com outros. Se ele não demonstrar nenhum deles, provavelmente é hora de botar a guia e voltar pra casa.

    Para cães mais velhos, brincar pode não ser nem natural, nem agradável. Muitos preferem passar o tempo com seus humanos de estimação ou cães de quem já sejam velhos amigos ao invés de conhecer novos peludos. A reação natural destes animais com outros, novos em seu convívio, que tentam se aproximar, geralmente é de impor limites (mostrando os dentes, rosnando etc.), o que pode assustar pessoas que não sabem interpretar este comportamento (e que por sua vez deixarão seus cães nervosos/assustados e daí para uma brinca é um passo curto).

    Claro que há exceções> se seu terrier de 12 anos de idade adora ir ao parque e demonstra todos os sinais de gostar de brincar já mencionados, não há nada de errado em deixá-lo aproveitar estas oportunidades.

    A pergunta a ser feita e que pede uma resposta honesta é: ir a locais para levar seu cachorro para brincar e interagir solto com outros é divertido para ele ou para você?

    Não há nada de errado em ir a ou parque, encontro, creche canina ou seção de brincadeira em grupo sem seu cachorro se sua meta for aproveitar a companhia de outros animais, conhecer pessoas novas ou até paquerar! Agora, se você participa destes momentos porque tem interesse real em promover qualidade de vida a seu cachorro, tenha certeza absoluta de que ele realmente está se divertindo e não tenha medo ou vergonha de parar tudo e voltar para casa se achar que não é o caso.

    Este texto é uma tradução/adaptação de um artigo do site Animal Humane Society. Tradução e adaptação: Ana Corina.

    Categoria: Comportamento, Guarda responsável
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    Nenhum Comentário:

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados