• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Série Filhotes – 20º post: Adolescência canina – de 6 a 9 meses de vida

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 1 de setembro de 2011
    Importante: estes textos são traduzidos do livro Puppies for Dummies, transformado aqui no blog na Série Filhotes, mas tanto eu quanto a Fúlvia recomendamos firmemente que qualquer pessoa desejando um melhor convívio com seu cão leia diversos materiais sobre técnicas de educação e psicologia canina, principalmente sobre métodos positivistas, que não utilizam castigos/punições.

    Texto: Sarah Hodgson – Puppies for Dummies – 2nd Edition
    Tradução e adaptação:
    Fúlvia AndradeTodos os direitos reservados. A reprodução é expressamente proibida.

    Adolescência: 6 a 9 meses

    Nesta fase, o mundo do filhote está sendo modelado por duas forças conflitantes: o desejo de agradar a você e a urgência de testar sua liderança, só para ter certeza se ele não pode mesmo fazer o que quer. Não pense que seja algo pessoal. Depois que o filhote entender que você certamente quer aquilo mesmo, você será respeitado. Abaixo algumas regras para lhe ajudar nesta fase:


    Mantenha a calma. Não deixe que o filhote perceba que você está nervoso ou frustrado. Todos os adolescentes, não importa a espécie, têm um prazer perverso de nos ver assim.
    Não deixe que o filhote lhe ignore. Se ele lhe desafia durante um passeio, por exemplo, puxando a guia, reforce os seus desejos. Se ele estiver sem guia e lhe ignorar, ignore-o e saia da situação. Bater em retirada não significa que você fracassou.
    (Obs. da tradura: Só uma pequena observação minha: não é porque o cão, adulto ou não, puxa a guia que ele está desafiando. Pense bem: andamos muito devagar para eles, e eles querem cheirar o mundo. Acho mais legal, nestes casos, não levar tudo na base da dominância ou desafio, mas sim, redirecionar o filhote, fazendo com que ele preste atenção em você, faça alguns comandos e, por fim, deixe-o cheirar. Mas sem puxar – porque andar sem puxar é questão de bons modos, só por isso).
    Eduque a percepção do cão. Ensine-o, ou lembre-o, o significado do “Não” (leia o treino do “Não”).

    Conversando com o filhote 

    Para ter uma comunicação de sucesso com seu adolescente, lembre destes cinco passos:

    Separe as coisas. Este é mais um exercício de meditação do que uma técnica de adestramento. Basicamente, esta técnica é para seu próprio benefício, embora sua calma afete o filhote também. Você ficará mais centrado, e quem não respeita isso?! Inspire, expire e saia de perto do filhote se achar que está ficando nervoso. Não leve a mal o comportamento dele e nem ache que é algo pessoal. Embora você possa pensar que todo o adestramento foi uma perda de tempo, não foi! Lembre-se: educar um filhote requer paciência e persistência.
    Fique centrado. Quando o filhote estiver aprontando, use toda sua energia para ficar calmo. Se ficar nervoso ou tenso, ele saberá. Se chegar neste ponto, você entrará na onde dele.
    (Obs. da tradura: Mais um pitaquinho: não é que ele vai provocar você pra ficar nervoso. Ele está sendo um filhote, oras! Os cães não são assim, de pensar “vou fazer isso, deixar meu dono nervoso só pra provocá-lo”. Não! O que realmente acontece é que, quando ficamos tensos, nervosos, agitados, os cães também ficam. Já tentou ensinar algo a um cão adulto, super equilibrado quando você está estressado? Ele não vai fazer, mas porque capta que algo não está bom contigo, e não pra fazer pirraça).
    Contato visual. Os filhotes se preocupam muito com seu status: “Sou eu quem manda ou não?”. Se o filhote consegue que você o olhe mais do que ele te olha, você é quem recebe ordens. Ignore as tentativas do filhote de obter atenção! Acaricie-o e faça carinho apenas quando ele estiver calmo. Olhe-o nos olhos quando estiver pedindo algo.
    Recue, se for o caso. Mesmo que você já consiga trabalhar com o filhote sem a guia, é provável que precise dela na adolescência dele! Quando ele está super estimulado e incapaz de se focar, coloque-o, gentilmente, ao seu lado, ou deixe-o em algum lugar com um ossinho, por um tempo.
    Tenha planos alternativos. Durante emergências comportamentais – por exemplo: cumprimentos sem controle entre cães, roubar coisas, fugir e assim por diante – use os comandos se eles funcionarem. A maioria dos cães fica temporariamente surda nestas situações, então é bom que haja planos alternativos. Veja a seção a seguir para estas alternativas.

    Lidando com Problemas Comuns

    Alguns problemas podem aparecer – ou reaparecer – na adolescência do cão. Um filhote que recebia as pessoas calmamente agora fica doidinho quando alguém chega. Ou talvez uma porta aberta seja tentação demais, e ele fuja. Abaixo algumas sugesões para lhe ajudar a lidar com problemas que possam acontecer com você e seu filhote.

    Recepcionar visitas
    Sempre peça para seus amigos que ignorem o filhote até que ele se acalme. Há três opções que você pode usar: designar um local específico da casa para que ele cumprimente as pessoas, colocá-lo na guia e amarrar a guia na sua cintura para obter mais controle ou, se tudo der errado, colocando-o no crate com seu brinquedo favorito. Quando ele se acalmar, leve-o para cumprimentar as visitas.

    Roubar
    Quando o filhote rouba algum objeto (roupa ou qualquer outra coisa), saia do local e feche a porta. Nesta fase, a maioria dos filhotes está mais preocupada em brincar que em roer. Se você ignorá-lo, ele perderá o interesse na brincadeira. Outra opção seria sair de casa: colocar o casaco e pegar as chaves é uma distração e tanto para ele! Leve o filhote para passear por pouco tempo, se você usar este truque. Senão, ele vai aprender que você só está blefando e não sai. Como último recurso, siga-o sem fazer contato visual e sem puni-lo, lentamente cercando-o em uma área pequena. Calmamente remova o objeto e, quando ele soltar, diga “Larga” ou “Dá”. Nunca puna o filhote, afinal, ele está aprendendo um novo comando.

    O Fujão
    Um filhote fujão é mais que frustrante – é perigoso. Nunca deixe o filhote sem guia, a menos que seja uma área segura. Se você quer lhe dar liberdade em uma área aberta, coloque-o em uma guia longa (25 metros). Assim você tem controle do filhote. Se ele conseguiu fugir, tenha bons planos para pegá-lo de volta. Algumas dicas:

    Tente dar a ele um comando, ou dois. Se não funcionar, pare. Não entre em pânico.
    Tente correr como um maluco (sem olhar para o filhote), gritando e mexendo os braços. Se jogue no chão e veja se este movimento atiça a curiosidade de seu filhote (os cães são curiosos e normalmente isso funciona).
    Tente pegá-lo de carro. Muitos cães não podem nem pensar em perder um passeio de carro!
    Se nada funcionar, siga-o em silêncio para certificar-se de que ele não corre perigo. Gritar só vai piorar a situação. Se puder, pare o trânsito (algo impraticável no Brasil) e peça ajuda se você precisar.

    Não fique bravo com o filhote depois da fuga. Senão, ele aprenderá a ser mais cauteloso com as fugas. Não use petiscos, porque eles vão reforçar o ato de fujir.
    Categoria: Adestramento, Crate, Fúlvia Andrade, Série Filhotes
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    6 Comentários:

    1. Rita Oliveira disse:

      14 de Fevereiro de 2013 às 19:48

      Ana,
      Tenho uma york de 8 meses, a Luah. Ela tem apenas 1,9 kg e estou tendo problemas sérios ao sair com ela. Ela enfrenta qualquer outro cachorro. Chega a tentar mordê-lo e fica enfurecida. Já não sei o que fazer. Tenho que ficar vigiando a aproximação de qualquer outro animal. E é sempre ela quem provoca. O que faço?

      • Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

        15 de Fevereiro de 2013 às 12:46

        NÃO dê colo qdo ela fizer isto, apenas IGNORE o comportamento e tire-a de perto, sem falar nada, ignorando-a. Quando ela estiver calma, elogie muito. Quando ela se aproximar sem ‘dar piti’, elogie muito. Mas como mãe de yorkshire, vou te dizer… é normal eles serem assim terríveis, hehe. O Shoyo se joga pra cima MESMO, como se tivesse 50kg. NUNCA dá pra sair com ele solto, sem guia…

    2. Pri disse:

      6 de Maio de 2012 às 18:23

      Soraia

      E usei a homeopatia da biocão indicada pela Ana e é maravilhoso, minha lindinha tava cheia d feridas d tanto coçar, tava m dando desespero, fui num pet e o vet m deu uma coleira anti pulgas e um veneno pra passar na casa, aff, joguei fora, fiquei cm medo pq o cheiro é mto forte, alem da homeopatia usei o oleo de neem e joguei na casa toda, principalmente onde ela fica, foi sucesso total e não fez mal algum SUPER RECOMENDO bjão

    3. Soraya disse:

      28 de Abril de 2012 às 19:54

      Muito obrigada pela atenção!!!
      Vou tentar suas sugestões e depois darei retorno.
      Grande abraço,
      Soraya

    4. Soraya disse:

      25 de Abril de 2012 às 21:18

      Gostei mto do blog!
      Preciso de um conselho a respeito de medicação natural para carrapatos em cachorro.
      Meus vizinhos mto próximos deixam seus cães na rua e não tem nenhum cuidado com seus animais.
      Meu poodle, que praticamente só fica em casa, está cheio de carrapatos e tenho até encontrado as fêmeas enormes, cheias de ovos, nas paredes da minha casa.
      Meu cachorrinho já teve mtos problemas de sáude e não gostaria de arriscar algum medicamento tóxico para o animal ou para o ambiente.
      Vc poderia me aconselhar com algum medicamento natural ou homeopático?
      Mto obrigada, grande abraço,
      Soraya

      • Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

        27 de Abril de 2012 às 10:00

        Oi Soraya,

        LEIA o post http://www.maedecachorro.com.br/2011/08/resumao-do-combate-a-pulgas-e-carrapatos-usando-alternativas-saudaveis-de-controle-e-prevencao.html e escolha a melhor maneira “natureba” de combater esta praga. Outra pessoa já deixou comentado aqui que usou a homeopatia BioCão contra carrapatos com MUITO sucesso.
        Você precisa atacar FORTEMENTE o teu quintal e falar com os vizinhos se for o caso, pois carrapatos sobem muros e podem vir dos vizinhos pra tua casa.

        A cipermetrina também é uma opção (barata, bem barata) contra carrapatos que talvez você mesma possa passar nos cachorros do teu vizinho… NÃO GOSTO POR QUE É TÓXICA E PREFIRO ALTERNATIVAS NATURAIS, mas pipetas contra pulgas e carrapatos SÃO TÃO TÓXICAS QUANTO, então VOCÊ DECIDE.
        Leia o que retirei do post sobre prevenção à Leishmaniose: http://www.maedecachorro.com.br/2010/09/leishmaniose-visceral-e-voce-nao-pense-que-nao-tem-nada-a-ver.html Tem TUDO explicado sobre o uso da cipermetrina (POUR-ON, SEMPRE) em cães.
        REPITO: VOCÊ PRECISA TRATAR A CASA E O QUINTAL TAMBÉM, ok?

        Prevenção:
        15 dias após parar de chover borrife as paredes de sua casa, seus muros e quintal com produtos à base de piretróides, como a deltametrina (K-Othrine, Butox etc.) ou a cipermetrina . Você também pode pincelar batentes de portas e janelas e locais escuros (embaixo de camas, casinhas de cães, atrás e embaixo de móveis etc.) com o produto escolhido. Faça esta dedetização de 4 em 4 meses.
        Se preferir algo mais natural, borrife/aplique óleo de citronela ou óleo de neem nos mesmos locais com, mas estes devem ser reaplicados após cada chuva ou limpeza.
        Para aplicar cipermetrina diretamente no cão alguns cuidados são necessários:
        –>A dosagem é de 1 gota de cipermetrina para cada quilo de cão de pelo curto e de 2 gotas para cada quilo de cão de pelo longo. O produto não pode ser aplicado em gatos e em humanos e deve ser pingado onde o cão não consiga lamber (entre os “ombros”, na nuca, no pescoço) e apenas no pelo, nunca diretamente na pele! Cuidado com animais que possam lamber um ao outro!
        Se você quiser aplicar óleo de citronela ou óleo de neem em um cão, lembre-se de diluí-los em água e fazer a aplicação diariamente e antes dos “horários de passeio” do mosquito: o amanhecer e o entardecer (mais no fim de tarde).
        Sobre o uso da cipermetrina em cães:
        A cipermetrina é um piretróide inseticida (mata mosquitos, carrapatos, pulgas etc) e somente na formulação pour-on (oleosa) pode ser aplicada em cães (não em gatos). Aplicar no PELO (evitar o contato direto com a pele). É encontrada nos seguintes produtos: Cipermetrin, Cyperpour-on, Controller CTO, Ectosules, Cipermetrina Nortox, que são vendidos por litro e somente são encontrados em casas de produtos agropecuários (não são vendidos em pet shops). Aplica-se espalhando o volume sugerido na ponta das orelhas, cabeça e linha dorsal do animal (2 gotas por quilo, se cão de pelo longo e 1 gota por quilo, se cão de pelo curto). A aplicação deve ser repetida após o banho, com o animal seco, ou senão, a cada 7 dias. Não aplicar no animal sob o sol. Em caso de intoxicação, simplesmente lavar o animal com sabão e mantê-lo à sombra. O produto também deve ser aplicado nos canis (paredes e telas) e nos portais de janelas e portas das residências e apartamentos. POR SER INSETICIDA, MANTER FORA DO ALCANCE DE CRIANÇAS. fonte: Fiel Amigo
        Resumindo o uso de cipermetrina/deltametrina:
        em cães usar apenas a cipermetrina oleosa (pour-on, vendida para ser passada em bois)
        para dedetizar o ambiente, usar a cimpermetrina para pulverização ou então deltametrina (K-othrine, Butox etc.)
        dedetizar o ambiente com cipermetrina ou deltametrina apenas a cada 4 meses, preferencilamente 15 dias após parar de chover (que é quando os ovos do inseto estão eclodindo)

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados