• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Dúvida do leitor: Sobre latidos excessivos…

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 9 de fevereiro de 2011
    O Miguel é um dos leitores mais antigos do blog e tenho um carinho muito especial por ele, pelo Théo e por toda sua família, que cresceu quando adotaram o Bento. Pois bem… Agora estão todos morando em outro Estado e numa casa, o que parece ter afetado um pouco o comportamento do peludinho.
    Quando li seu post “Coisas do Théo – cap II”, decidi tentar ajudá-los porque me incomoda profundamente essa coisa de dar remédios a cães que muito provavelmente precisam apenas de mais exercício físico e mental e de algumas mudanças – geralmente simples – em suas rotinas.
    Para tanto, pedi à Zootecnista e Especialista em Comportamento Animal Sara Favinha da Tudo de Cão para ler o post do Miguel e comentar sobre os problemas que ele aponta no comportamento do Théo. Também fiz o mesmo com uma veterinária homeopata e outra veterinária especialista em florais. (atualização: para ler o texto dela sobre o caso do Théo, clique aqui) As respostas delas farão parte de outro post, complementar a este. Espero, do fundo mais fundo do meu coração, que as palavras abaixo possam ajudar não só ao Théo e sua família, mas a outros peludos que porventura estejam em situação igual ou parecida.
    “Muitas pessoas nos procuram por um motivo que acaba incomodando a elas e aos vizinhos: latidos!
    Os cães evoluíram para conviver com o ser humano, e são bastante adaptados à esta realidade. Com esta evolução, eles passaram a ficar cada vez mais “infantilizados” ou seja, a terem comportamentos de filhote pelo resto de suas vidas. Os latidos também surgiram como uma forma de comunicação com o ser humano, e eles funcionam muito bem! Quem é que não presta atenção no seu cãozinho quando ele começa a latir? Muitas pessoas saem pela casa atrás do cão procurando saber o que é que ele quer…
    Mas os cães não latem apenas para “conversar” com os seres humanos, eles também podem latir para expressão excitação, medo, alerta e alegria.
    Quando um cão avista um estímulo diferente e ameaçador para ele, do outro lado do portão, ele pode latir. Quanto maior for o acesso do cão à esses estímulos, mais ele se tornará um cão latidor
    . Cada vez que o carteiro passa rápido, que o caminhão do lixo traz o lixeiros que passam correndo, que os cães dos vizinhos que passam na coleira reagem latindo, o seu cão é recompensado. Na cabecinha dele, o carteiro, os lixeiros e o cão na coleira só foram embora porque ele latiu!
    Então, da próxima vez, ele vai latir ainda mais para “espantar” logo esses intrusos. O cão acaba sendo muito fortemente recompensado quando mostra agressividade e quando late, e a tendência é que tudo isso aumente, aumente, aumente. O cão que late o dia todo no portão recebe uma carga muito forte de estresse, pois está o tempo todo em defesa do território, espantando “intrusos”, nervoso, irritadiço e com medo. Muitos cães não têm estrutura emocional pra aguentar tamanha pressão e acabam ficando desequilibrados, inclusive dentro de casa.

    Nós sempre recomendamos às pessoas que não deixem seus cães nesta situação. Se não for possível deixá-lo do lado de dentro de casa, deixe-o atrás de um portão sem visão da rua, ou coloque um portão que não permita que o cão se sinta tão exposto, a ponto de ser agressivo com pessoas e outros cães.

    A agressividade não é benéfica e nem normal quando ocorre com muita frequência, assim como os latidos.
    Aqui em casa colocamos um portão fechado que não dá acesso visual à rua, e nossos cães passam o dia muito tranquilos! Quando chegamos em casa, soltamos todos os cães no jardim da frente e eles adoram! Porém criamos uma regrinha: o cão que latir, imediatamente perde a oportunidade de ficar no jardim da frente por 10 minutos. Fazendo isso com consistência, hoje temos 8 cães que ficam na frente de casa quando estamos aqui e não latem, nem para o lixeiro, nem para caminhão, moto, outros cães ou qualquer estímulo que antes latiam.

    Ensinar auto-controle para um cão é muito importante em sua educação e o mais legal é que não precisamos usar violência nenhuma (ou remédios!!!*) para isso! 🙂
    Abraços! Sara.”

     



    *Comentário meu, não resisti, sorry! ;-D

    Categoria: Adestramento, Animais e nós, Latidos
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    16 Comentários:

    1. Milene Castro disse:

      10 de janeiro de 2014 às 13:55

      Oi, Ana. Tenho 3 cães (todos adotados das ruas) que latem muito pro carteiro, lixeiro, entregador e qualquer coisa que se aproxime do portão. Já pensei em colocar um portão que impeça a visualização pra rua, mas tenho receio que eles fiquem deprimidos. Por mais que eu entenda que esse processo de defender o território possa ser estressante pra eles, penso que impedí-los totalmente de receber os estímulos da rua, possa ser ainda mais estressante. Não sei, tenho dúvidas em relação a isso. Mesmo que eu passeie uma vez por dia, 40 minutos, no restante do tempo parece que ficarão entediados, pois o quintal não é muito grande e eu trabalho durante o dia…será que nesse caso seria melhor tirar a visão pra rua mesmo?? Abraço.

      • Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

        15 de janeiro de 2014 às 17:01

        Oi Milene, educação/comportamento canino é algo que não estudei/estudo a fundo (diferentemente das vacinas e da nutrição), então sei um pouco e desse pouco, sempre li que nestes casos é bom tirar o estímulo e a visão da rua. Veja se os outros textos (leia comentários também, por favor) do blog sobre latidos te ajudam: http://www.maedecachorro.com.br/category/latidos

        A http://www.educadoracanina.com.br dá consultoria paga pela Skype se o caso permitir. É um dinheiro muito bem gasto. Esse é o tipo de caso que pode ser ajudado com dicas.

    2. Anonymous disse:

      16 de maio de 2011 às 23:43

      Eu tento sempre ignorar, apesar de ser super dificil, pq qdo a chega chega elas ficam numa felicidade!! Mas aqui em casa é complicado. tenho que treinar é a familia, nao as menininhas caninas, rs… Vou procurar saber sobre ansiedade. Somos do interior de SP,Caçapava. Vale do Paraiba. Aqui é uma cidade pequena, e ate tem adestradores, mas no momento estou sem condiçoes financeiras pra contratar um.. Obrigada. bjs. Aline, Pucca e Kiara.

    3. Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

      15 de maio de 2011 às 13:01

      Oi Aline,

      Você precisa ler sobre ansiedade de separação porque parece bem claro o caso delas. De que cidade/Estado vocês são?

      Com pequenas mudanças na rotina de vocês e a inclusão de exercícios físicos na rotina das duas vocês com certeza vencerão isso juntas. Leia os comentários acima pq foi falado sobre ansiedade de separação, mas também digite no Google e ache outros textos e, se possível, contratem um educador canino para auxiliar vocês.

      É muito importante que vocês ignorem as duas por uns 10 minutos antes de sair e ao chegar em casa. Mas é IGNORAR MESMO, do tipo nem olhar na cara mesmo que elas pulem em vocês, não mandar ficar quieta, NADA!

      Boa sorte e beijo!

    4. Pucca disse:

      15 de maio de 2011 às 00:28

      Olá! Adorei o blog! Tenho um problema parecido. Em casa temos duas filhas, a Pucca (lhasa apso, 1 ano) e a Kiara (teckel, 13 anos). Elas ficam dentro de casa, qdo alguem faz barulho na rua, ou batem no portao, a Pu começa a latir q nem doida e a Kiara começa a uivar, chorar e latir. Ate ai td bem, pq sempre tem alguem q xinga e elas param. Só q tb ficamos refens de casa, como disse a Luciana, pq se tds saem, a Pu faz um latideiro que ngm aguenta. Ai a Kiara começa a uivar e ficam horas assim, os vizinhos já reclamaram. Ja tentei deixar petisco, brinquedo, ossinho, etc, mas nao adianta. A Pucca detesta ficar sozinha e leva a Kiara junto no stress. A Kiara nao late nem chora qdo fica sozinha.. Ja pensei tb em coleiras anti latidos, mas me falaram q nao é legal. Meu nome é Aline, e-mail mellhasa09@gmail.com. Obrigada.

    5. Ana Corina disse:

      29 de abril de 2011 às 19:17

      Oi Luciana,

      o adestrador me enviou teu texto, mas não recebi e agora ele está procurando pra mandar novamente, mas enquanto isso dê uma lida nestes outros posts e digite "latido", "latidos" e "latir" na busca do blog pra achar outros.

      http://www.maedecachorro.com.br/2010/03/eu-lato-tu-lates-ele-late-por-que.html

      http://www.maedecachorro.com.br/2010/12/parar-de-latir-sob-comando-e-possivel.html

      Desculpe a demora!

    6. Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

      11 de março de 2011 às 15:57

      Oi Luciana,
      vou pedir ajuda e faço um post quando conseguir a resposta!

    7. Anonymous disse:

      11 de março de 2011 às 15:53

      Ana, Tudo bem?
      Socorro, por favor, me ajude! Eu tenho 12 cães, q são bem tratados, tem atenção, brinquedo, comida, espaço para brincarem e que é bem grande… Bom, eles tem carinho, atenção, um ao outro para brincarem, passeiam tb. Só q apesar de tudo isso, quando saio, eles começam a uivar e latir. Eu não tenho tranquilidade em sair de casa, morro de medo de alguém fazer uma maldade com eles. Já tenteii varios truques de livros, mas não dá certo. Oq eu poderia fazer: um adestrador, aqueles aparelhos anti latidos q se coloca em algum lugar da casa, floral? Para q lado eu corro? Eu não sei, eu os amo, não vou abandoná-los, meu medo é envenenamento. Eu deixo de sair para não fazerem barulho e incomodar os vizinhos. Estou refém na minha casa! Me ajude, por favor. Obrigada!
      Meu nome é Luciana, e meu e-mail é lucianapedrega@hotmail.com ou jdunkl@hotmail.com .

    8. Cassia disse:

      24 de fevereiro de 2011 às 00:34

      Olá, Débora! A Ana está certíssima: me parece que seu peludo está sofrendo de ansiedade de separação. As dicas indicadas no comentário acima são muito úteis e podem fazer uma GRANDE diferença. Mas é bom você confirmar mesmo com os vizinhos se ele late o tempo todo quando você está fora, ou somente em períodos curtos. Se constatada a primeira hipótese, treinos para aliviar a ansiedade tornam-se essenciais. Importante: não dê broncas nele, pois o nível de ansiedade pode aumentar! Além disso, o fato dele estar tão próximo a você no dia a dia e ficar no quintal quando você sai (mesmo que com outro cão para fazer companhia), pode ser um agravante. Seria legal considerar a possibilidade de deixá-lo ter acesso a pelo menos uma parte interna da casa, onde ele costuma ficar com você, para tranquiliza-lo durante sua ausência. Se nada der certo, consulte um especialista em comportamento animal que utilize reforço positivo como base de sua técnica. Beijos, boa sorte!

    9. Ana Corina disse:

      23 de fevereiro de 2011 às 12:10

      Oi Débora,

      Hum… Não tenho condições de responder, sou obrigada a pedir ajuda de algum educador canino, mas pelo pouco que sei sobre o assunto, me parece um caso de ansiedade de separação, que ele pode ter desenvolvido com a idade. Uma vez um adestrador também me falou que às vezes os cães latem quando a família humana chega/sai de casa por um instinto anscestral de "avisar" do acontecimento.

      Posso quase apostar contigo como ele NÃO late enquanto vocês estão fora e sim apenas quando você estão chegando/saindo, viu? Pergunte aos vizinhos.

      Façam mudanças que cães com ansiedade de separação exigem:
      – IGNOREM os dois cães cerca de 10 minutos antes de sair e depois que chegar. Não olhem na cara, não toquem, façam de conta que eles não existem;
      – Deixe uma peça de roupa de vocês (usada) para o cheirinho ficar junto e acalmar o seu velhinho;
      – Deixe-os comendo/roendo algo saboroso quando vocês sairem. Gosto muito do brinquedo Kong, onde escondemos petiscos e os cães ficam tentando tirá-los de dentro do Kong, super distraídos. Tem pra vender na http://www.bitcao.com.br, mas se você puder comprar nos Estados Unidos vale à pena porque custa coisa de uns R$14,00 por lá e aqui é ridiculamente caro.

      Vou pedir para algum educador canino vir aqui comentar teu caso, mas por favor leia os textos já feitos no blog sobre o assunto e o texto da Cássia que indiquei no fim do post http://www.maedecachorro.com.br/2011/02/uso-abusivo-e-banalizado-de.html

      Boa sorte!

    10. Anonymous disse:

      23 de fevereiro de 2011 às 12:01

      Olá Ana, li o artigo sobre latidos excessivos e fiquei com dúvidas. Tenho um cão idoso e ele sempre ficou sozinho no quintal quando saiamos para nossos compromissos e nunca tivemos problemas. Mas~últimamente quando percebe que está fora de casa lati compulsivamente e anda de um lado para o outro. Imagino que ele deva ficar assim até a hora do meu retorno, pois quando chego em casa escuto seus latidos. Ah detalhe, devido a idade fica a maior parte do tempo dentro de casa, dorme no meu quarto, enxerga e escuta mais ou menos. Quando saio ele não fica sozinho porque tenho outro cãozinho ( este fica quietinho). Não sei o que acontece, me ajuda, gostaria que ele ficasse calmo. Beijos Débora deboradepoli@hotmail.com

    11. Emmanuelle Moraes disse:

      12 de fevereiro de 2011 às 01:20

      Sara,
      Muito bom o post!
      Parabéns!

    12. Aline disse:

      11 de fevereiro de 2011 às 13:44

      muito legal isso. a sara como sempre "broca" aqui em casa o problema é exatamente esse: estímulo visual.
      e qdoo chega as visitas sr. frederico acha que latindo as manda embora ( e olhe que manda mesmo, hahahah)
      já estamos com o plano de aumentar o muro que dá acesso a ele à visualização da rua, e dos vizinhos para aqui dentro de casa (vai ser um alívio, tenho certeza)

      será que foi disso que o fred começou a ter raiva de quem sai correndo?

    13. Ana Corina disse:

      10 de fevereiro de 2011 às 20:02

      Oi Mariana, que bom que a tua amada não está mancando e nem se estressando por latir em excesso. Beijo pra vcs!

      Oi Maria Lúcia, mas querida, não entendi… Não falamos, nem eu nem a Sara Favinha, em ter cães que não latam nunca. As dicas são para ajudá-los a não latir em excesso, sabe? Porque eles sofrem com isso, tadinhos. E podem ainda correr o risco de ser envenenados etc. Sempre tem um vizinho maluco à solta, infelizmente…

      Sobre a alimentação natural, eu mesma demorei bastante tempo (alguns anos, pra ser exata) a largar definitivamente a ração. Cada pessoa sabe de si e faz o melhor que pode :o]

      Beijo!

    14. maria lucia disse:

      10 de fevereiro de 2011 às 11:22

      Sei que aqui conta a opiniào da dona do blog, mas tenho a sensação de que há pontos um pouco xiita demais. Entre o cão que late ininterruptamente e o silêncio mortal, será que não existe um termo mais humano/animal? Talvez seja eu que goste demais de cachorros e das suas expressões e ache gostoso algumas latidas de vez em quando.
      Já que estou aqui, não é que "não faço comida para mim, imagine para cachorro". Se eu fizesse para alguém certamente seria para o cachorro, mas as pessoas entendem melhor se digo que não tenho tempo para cozinhar. Há muitos tipos diferentes de ser humano por aí e, normalmente, as pessoas não caem direto na etiqueta. É bom observar.
      Beijinhos.

    15. Mariana disse:

      9 de fevereiro de 2011 às 12:17

      Excelente post!
      comigo aconteceu exatamente isso!
      me mudei recentemente e aqui, como é um condominio fechado, minha cadela não tem mais acesso visual à rua. Ela só ve a rua interna do condomínio que é bem tranquila…Quase não late mais, e está bem mais tranquilinha! Até a patinha dela melhorou bastante porque ela não dá mais aqueles "corridões" até o portão…Faz dias que não a vejo mancando…Tudo de bom!
      Bjoo

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados