• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Listas de veterinários

  • Receba os posts por e-mail:

    Seminário sobre Leishmaniose Visceral em Floripa: uma data para entrar na história da saúde pública e da defesa dos animais em Santa Catarina.

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 20 de setembro de 2010
    leish

    Fowler (microfone), Halem (projetor) e Vinícius Ouriques (sentado).

    Quem leu o post anterior já está contextualizado para este. Separei os dois porque um é mais pessoal e o outro mais técnico, mas mesmo nesse pretenso texto técnico, é impossível separar a emoção dos fatos científicos, principalmente quando eles refletem diretamente na vida de quem tanto amamos: cães (e gatos).
    No dia do seminário, Floripa amanheceu belíssima, já tendo recebido nosso querido Fowler na manhã de sexta-feira com um dia igualmente bonito e agradável. Apesar da felicidade de conhecer pessoalmente o Fowler, meu querido amigo virtual de alguns anos, e de quebra ainda ter a honra de iniciar uma amizade com dr. André Fonseca, a ansiedade para as palestras era imensa. Quando o assunto é leishmaniose visceral, como diz o Fowler, nada é fácil ou simples. Com um público muito abaixo do esperado, mas que reflete a falta de consciência e de interesse da população e da classe veterinária em geral, o seminário foi aberto pelas afiliadas da WSPA Brasil, representadas pelas figuras do Halem, do Instituto Ecosul, e da Shalma, da APRAP. E para quem se apegou na "falta de interesse", sim, achei um absurdo o auditório não estar abarrotado de veterinários, profissionais diretamente interessados no assunto e que foram suficientemente avisados do evento e que, portanto, tinham obrigação até mesmo moral de estar lá. Felizmente os vets em quem confio lá estavam, o que só reforçou minha admiração por eles e segurança em correr para eles quando preciso/os recomendo.
    Na sequência, os representantes da saúde municipal tomaram a bancada (nomes de representantes públicos e autoridades presentes seguem no fim do post). Achei as explicações e a palestra do sr. Anselmo, Diretor da Vigilância em Saúde da PMF, condizentes com o esperado dos órgãos oficiais de saúde pública. A novidade ficou por conta da civilidade dos presentes, tanto do lado de lá, quanto do lado de cá da bancada, fato para o qual o mano Fowler chamou a atenção ao conversarmos sobre o seminário durante o jantar, porque não é o que geralmente acontece em outras cidades/situações. Palmas pra Floripa! 😉
    Além disso, eu sinceramente não estava esperando qualquer tipo de satisfação mais detalhada por parte deles, o que foi muito produtivo, principalmente quando foi a primeira satisfação oficial com relação à leishmaniose visceral em Florianópolis. A simples presença das equipes da Secretaria da Saúde e da Vigilância em Saúde já demonstra a força que o movimento de defesa dos animais tem em Florianópolis, já que inclusive na programação divulgamos a presença de um ou outro órgão, na véspera fomos informados de que ninguém iria e no sábado, voilá, estavam os dois lá representados e em peso!
    Muitas explicações e perguntas depois, pausa para esticar as pernas.
    A palestra do nosso querido Fowler Braga marcou o retorno do coffee break da manhã não só com informações relevantes sobre prevenção e dados sobre a ausência de prova científica no papel do cão enquanto hospedeiro relevante o suficiente no aumento de leishmaniose visceral em humanos a ponto de justificar o assassinato de milhares de cães anualmente no Brasil, como emocionou a todos e demonstrou um pouco do amor que nós conhecemos tão bem e que nos leva a estudar alternativas para evitar a morte de animais inocentes, tão vítimas da doença e do inseto transmissor quanto nós. Durante o seminário o querido Fowler recebeu a triste notícia de que duas de suas filhas peludas, Menina e Xuxa, haviam falecido, uma com 12 e outra com 20 anos.
    A última palestra da manhã foi, especificamente no que diz respeito aos meus interesses em ajudar os animais de Florianópolis e região, a mais válida. Os motivos? São dois: quem a proferiu, o Prof. MSc. Mário Steindel, do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia do Centro de Ciências Biológicas da UFSC, não só é um cientista e alguém não ligado à proteção animal, como na plateia ainda havia alguns representantes da Prefeitura de Floripa (a maioria foi embora após a apresentação deles) e estes inclusive debateram algumas das colocações do professor Mário e dos presentes.
    Traduzindo: representantes dos órgãos oficiais de combate à zoonoses ouviram de maneira não só clara e fundamentada, mas isenta, que é impossível dizer que um cão tem a leishmaniose visceral apenas a partir da sorologia positiva, único método que o Governo Brasileiro exige para decretar a morte de milhares e milhares de animais saudáveis (e de quebra para deixar de eutanasiar cães verdadeiramente contaminados com a leishmaniose visceral, e aqui não entro no mérito de contestar a eutanásia deles ou não, porque isto não interessa a quem trabalha com saúde humana). Apenas um exame parasitológico é capaz de detectar o protozoário da leishmania visceral no animal. Apresentar sorologia positiva inclusive pode ser resultado de um falso positivo ou indicar leishmaniose tegumentar, doença que o Governo Brasileiro não combate com a matança de cães (ao menos isso!). Para piorar, doenças como erlichiose e até sarna demodécica podem dar positivo nos exames de sorologia para leishmaniose visceral.
    Para quem ainda não entende a importância destas informações, a posição oficial dos órgãos da saúde é obedecer à ordem estadual/federal: matar todo e qualquer cão que seja testado para leishamiose visceral e que apresente sorologia positiva, mesmo que sem sintomas (e, de acordo com o parágrafo anterior, mesmo que provavelmente SEM ESTAR DOENTE OU SEQUER INFECTADO!). Qual a maior preocupação de quem defende os animais? Que as pessoas tenham ao menos o direito legal de testar seus cães de maneira correta para a partir daí, decidir se optam ou não pela eutanásia ou se estão dispostos a se comprometer com o tratamento destes animais.
    Opa! Tratamento de cães com leishmaniose visceral?? Sim! O que nos leva às palestras da tarde...
    Pena que na parte da tarde ninguém da Prefeitura de Florianópolis tenha retornado ao seminário... Na verdade, mais do que uma pena, a ausência de representantes da Prefeitura na parte da tarde e a pouca presença da comunidade e de médicos veterinários foi lamentável (eu disse pouca, não inexistente!) porque não existe pessoa interessada em leishmaniose visceral, seja defensora de cães ou não, que possa se considerar informada sobre o tema sem entrar em contato com as informações que o dr. André Fonseca oferece em suas palestras e site. E, cargas d'água, o homem estava ali, em carne, osso e simpatia! Não só amabilíssimo, mas super disponível a nos ajudar nesta luta que está apenas começando. Informação é tudo em um momento tão crucial. Felizmente tivemos a presença de representantes de ONGs de outras cidades, como a Sueli Amaral, da HACHI_ONG de Blumenau, e a Jovane Bottin, da Voluntários Amigos do Bicho, de Chapecó.
    Falar das palestras do dr. André, médico veterinário e advogado, é algo simples e difícil ao mesmo tempo.
    Simples porque são maravilhosas, a primeira focando nos aspectos médicos da doença, mostrando o quão vítima o cão é, e não só da leishmaniose, mas principalmente da ignorância e do medo humanos, apresentando alternativas viáveis, baratas e eficazes de tratamento e de prevenção à leishmaniose visceral e demonstrando cientificamente que não só há outros hospedeiros da doença, como o cão não merece ser considerado o principal deles; a segunda focando nos aspectos legais do problema, demonstrando que a portaria que estabelece a eutanásia dos cães com sorologia positiva sequer é lei e não só pode, como deve ser contestada por quem deseja tratar seus animais e deveria ser inclusive derrubada, já que está mais do que na hora do Brasil abrir os olhos para fatos comprovados: matar cães não ajuda a diminuir os casos de leishmaniose visceral, pelo contrário, só temos visto a doença crescer e se espalhar. E a palestra (quem quiser pode me solicitar que envio por e-mail!) demonstra isto com provas e mais provas científicas.
    E difícil, porque são informações que demandam estudo e reflexão e que mereciam um comparecimento absurdo, a ponto de haver lugares faltando; porque a imprensa, que tem se manifestado irresponsavelmente sem estudar o tema, deveria estar lá e porque, como dito no post anterior, não há nada fácil quando o assunto é leishmaniose visceral. Moramos em uma ilha onde praticamente tudo é banquete e berçário para o inseto transmissor da doença, invadimos a mata e agora temos que aprender a conviver com os problemas próprios à ela.
    Dúvidas? Ainda tenho várias mesmo já tendo lido e me informado tanto sobre leishmaniose visceral, o que só me faz querer estudar mais e mais.
    Certezas? Apenas quatro:
    • não há absolutamente nada mais eficiente no combate à leishmaniose visceral do que a educação e informações corretas sobre o tema;
    • precisamos, mais do que nunca, de união de forças para enfrentar o mosquito transmissor e a doença;
    • mais uma vez o bicho homem derrama sobre sua própria cabeça um problema ao tratar a natureza de maneira abusiva e irrefletida (e em tempos de aquecimento global, preparem-se, não só a leishmaniose tomará o mundo, como outras doenças transmitidas por insetos);
    • como sempre, quem paga a conta, são nossos irmãos animais.
    Meus agradecimentos especiais: Halem Guerra (Instituto Ecosul), mentor e realizador maior do seminário, Shalma Teixeira (APRAP), parceira valorosa e co-realizadora do evento, Karla Souza Pinto (É o Bicho), fundamental para a realização da reunião que precedeu o seminário e na ajuda da realização do coffee break , WSPA Brasil, patrocinadora que possibilitou a vinda dos palestrantes de São Paulo, professor Mário Steindel, pela palestra fundamental e pela busca incansável pela verdade, Dr. André Fonseca, um verdadeiro anjo dos animais, Fowler Braga (Focinhos Gelados), um gigante de coração maior ainda, Vinícius Ouriques e Alexandre Reichert, advogados e voluntários da causa animal, que conseguiram o auditório da OAB, Cláudia da Clinicão, que avisou a todos sobre os casos de leishmaniose visceral em cães de Floripa, Vivi Vieri, advogada e voluntária na luta contra os abusos cometidos em nome a leishmaniose visceral, Silviane Mafalda (Instituto Ecosul), sempre registrando tudo com bom astral, e Denise Dechen, voluntária que levou o Fowler para conhecer a área onde os casos estão restritos. Agradeço também a todos que divulgaram, aos que compareceram ao seminário e aos envolvidos na realização do evento que eu possa ter esquecido de citar.Leiam também: Florianópolis e a leishmaniose visceral americana Fotos do evento: Clique aqui
    PS: desculpem a demora em dar informações. Mas saí de casa às 7:30 da manhã de sábado e só voltei depois da meia-noite, para dormir menos de 7 horas e levantar para levar o Fowler e o dr. André ao aeroporto. Depois disso ficou difícil escapar dos deveres da casa e de dar atenção ao maridão. O Shoyo, que ficou mal e tomou até soro na sexta-feira também precisava de atenção e só na minha conta de e-mail do blog havia nada menos do que 322 mensagens novas... Fora Twitter, Orkut e Facebook pra atualizar e e-mail pessoal. Ainda vou demorar um pouco pra botar tudo em dia e conto com a compreensão de vocês. A todos que se preocuparam com o Shoyo e ao dr. Mauro da Clínica da Lagoa que não só o atendeu, mas compareceu ao seminário de manhã e de tarde, meu muito, muito, muito obrigada.
    Recebi do Ecosul e repasso:
    Entre os representantes públicos e autoridades presentes estavam a Procuradora da República Analúcia Hartmann, o presidente e vice do CRMV/SC-Conselho Regional de Medicina Veterinária Moacir Tonet e Albert Lang, o Secretário Adjunto Municipal da Saúde de Florianópolis, Clécio Espezin, o Chefe da Vigilância Sanitária de Florianópolis, Anselmo Granzotto, Suzana Zeccer e Janaina Tomio da Secretaria Estadual da Saúde, Valdir Machado Jr.e Larissa Dadan da Secretaria Municipal da Saúde de Palhoça, Vanderlei Paulo Schmidt da Vigilância Epidemiológica de Blumenau, Alexandre Francisco Muellmann da Vigilância Sanitária de São Francisco do Sul e Rubens Marcante da Prefeitura Municipal de Bombinhas.
     
    Categoria: Eventos, Leishmaniose
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    26 Comentários:

    1. Anonymous disse:

      10 de outubro de 2011 às 21:41

      Olá Ana , Boa Tarde!
      Procurando mais informações sobre a leishmania n/ internet , graças á DEUS encontrei o seu BLOG.
      Vc poderia enviar p/ mim a palestra do Dr André Fonseca? Gostaria de saber mais sobre o assunto.Pois nos exames de sorologia leishmaniose(IFI) e (ELISA)deram NEGATIVO
      mas no MIELOGRAMA foram observadas estruturas SUGESTIVAS de leishmaiose sp.Estou desesperada.
      Ana vc conhece algum veterinário que faz esse tratamento aqui em SP?
      Aguardo resposta anciosa. Desde já Agradeço.

      Email p/ contato: dulcy.freitas@hotmail.com

    2. Mãe de Cachorro – Ana Corina disse:

      16 de junho de 2011 às 14:02

      Mas cadê teu mail?
      ;-D

    3. LAERCIO FARIA disse:

      16 de junho de 2011 às 13:30

      Oi Ana gostei muito de todos os esclarecimentos!
      Gostaria de receber a palestra por email, sou da Vigilância Ambiental do município de Juína – MT

    4. Anonymous disse:

      16 de junho de 2011 às 13:23

      Oi Ana, sou Laercio Faria, trabalho na Vigilância Ambiental do município de JUÍNA -MT estava procurando informações sobre Leishmaniose e encontrei seu blog.

      por favor me mande por E-mail a palestra, vai ser muito util sou de Juína – MT, temos vários casos de LTA pois precisamos interar sobre o assunto qdo se trata de Leish.obrigado

    5. Ana Corina disse:

      14 de outubro de 2010 às 22:06

      Oi, Bruna!

      Não posso dizer "faça isto ou aquilo", mas sugiro que você dê uma lida no post http://www.maedecachorro.com.br/2010/08/leishmaniose-visceral-canina-tem.html para ficar por dentro de algumas dicas naturebas de prevenção à doença.

      Aqui em Santa Catarina a ordem é sacrificar cães com resultado positivo nas sorologias e a vacina NÃO é recomendada pelas autoridades da saúde porque 1)ainda não está 100% aprovada pelo Ministério da Saúde 2)alegam que ela pode interferir na sorologia e fazer com que o resultado seja positivo, então… EU não fiz. Porque além dela ter vários efeitos colaterais e de o cão precisar ser testado antes de receber as doses, ainda poderá ser uma sentença de morte caso interfira no resultado dos testes sorológicos.
      Max 3, coleira Scalibor, Pulvex, cipermetrina pour on etc. são todas opções tóxicas de repelentes, mas não precisam de aplicações diárias, como o óleo de neem e de citronela (que devem ser aplicados diluídos).
      Em resumo, nada é fácil quando o assunto é leishmaniose, então leia com atenção os posts e questione seu veterinário porque os produtos para prevenção da doença podem sobrecarregar fígado e rins.

      Beijo

    6. Bruna M. disse:

      14 de outubro de 2010 às 19:13

      Oi Ana, estava procurando informações sobre Leishmaniose e cheguei ao seu blog. Sou de Joinville, tenho um lhasa e na clínica que o levo estão indicando a vacina + Advantage Max 3 para todos os clientes. Estou um pouco perdida, e ao mesmo tempo com medo.
      Aí em Florianópolis as pessoas estão procurando pela vacina?
      Obrigada

    7. Ana Corina disse:

      26 de setembro de 2010 às 11:32

      Ruthléa, por não lembrar se já te passei a palestra ou não, estou neste momento a enviando novamente, ok?

      A todos que pediram a palestra: a estou enviando NESTE exato momento. O arquivo é grande (18 MB), então se alguém não receber, por favor me escreva no anacorina@maedecachorro.com.br

      Fran e Gladis, que pena que não conseguiram estar lá, até porque teríamos nos conhecido pessoalmenteeeee! 😉

      Carina, minha querida, chore mesmo, porque há vezes em que realmente temos várias razões pra isso e chorar sempre alivia e, como diria meu pai, na dúvida lubrifica os olhos e limpa os pulmões (tipo, 'dã', hehe).

      Oi Sirley, a Camilli já tinha me falado super bem de vocês, seja bem-vinda por aqui!

      Camilli querida, adorei o FORMIGONA, obrigada!

      Cintia, estou lá no teu Raio-X vendo a Fofa (lindaaa!). Beijo e seja-bem vinda!

      Daniela, Jorge, Alice e todo mundo que comentou: OBRIGADA!

      Simone, o problema é que o Governo Brasileiro não reconhece a vacina como prevenção e nem como tratamento (já há estudos a usando no tratamento de cães infectados). E arrisco dizer que a leishmaniose seja usada como uma desculpa para "limpar" o país dos cães.

      Nós, os Cachorros, obrigada e já deixei recado no teu blog semana passada.

      Beijo a todos e força na peruca que a luta é longa!

    8. Ana Corina disse:

      26 de setembro de 2010 às 11:18

      Minha amiga Vivi,
      sou uma das pessoas que esperou o problema bater à porta para realmente passar a estudá-lo, então não só entendo quem faz o mesmo, como não julgo. Até porque é TANTA coisa pra nos preocupar no mundo de hoje que não precisamos de mais uma, né? Mas é justamente porque passei pelo "antes não sabia nada, agora sou obrigada a saber tudo" que estou nesta campanha de alertar as pessoas para que não cometam meus erros.

      Beijo grande MUITO OBRIGADA por tudo, você está sendo fundamental na nossa luta contra a doença e a desinformação. São Chico te cubra de bençãos, meu anjo!

    9. Ana Corina disse:

      23 de setembro de 2010 às 00:43

      Gente, PRECISO de um tempo pra ler com calma os comentários acima e responder, ok? Beijo.

    10. Alice disse:

      22 de setembro de 2010 às 21:49

      Oi Ana obrigada por todos os esclarecimentos!
      Gostaria de receber a palestra por email
      alice@alicelinck.com.br

      O Dr. Mauro da clinica da Lagoa é o veterinário da sua confiança?
      Gostaria de saber em qual veterinário confiar nessas horas e quais veterinários estavam presentes nessa palestra (manhã e tarde) ehehe.
      Obrigada por informar chguei de viagem segunda feira e fiquei sabendo de tudo isso!
      Deixar cães em hóteis NEM PENSAR então!!!

      Mais uma vez parabéns pelo teu trabalho e pela tua dedicação!!!!

      Alice e Maui

    11. Anonymous disse:

      22 de setembro de 2010 às 12:42

      Olá,
      gostei mto mesmo das info, porém me admira que o laboratório que produz a vacina contra esta doença ñ tenha comparecido ao evento, pois já existe a vacina, sendo que para poder imunizar seu aumiguinho é necessário 1° fazer o teste para saber se o animal têm ou ñ a doença, caso negativo imuniza-se o animal. Aqui na minha cidade já entrei em contato com todos as clínicas e eles infelizmente ñ possuem a vacina, sendo que o labratório que a produz é mto bem conceituado, algm sabe se há algum problema com esta vacina específica contra leishmaniose??? Deixo meu email caso algm queira saber o Laboratório e o nome da vacina ou se conhece algum estudo sobre a vacina.

      Simone Câmara Chapeco/SC
      simonecamara@pop.com.br

    12. AmigoFiel disse:

      22 de setembro de 2010 às 07:09

      Ana,
      Parabéns. Muito esclarecedor.As autoridades de Jraguá do sul foram avisadas/convidadas e infelizmente pelo que vi nas fotos não compareceram… pelo menos os que convidei…e o pior que já temos casos na cidade e na região rural.Infelizmente, em razão do meu trabalho,não foi possível comparecer, mas estamos sempre a disposição.
      um abraço,
      Jorge Lerche
      Assoc.Protetora dos Animais AmigoFiel
      "quem ama castra"

    13. Vivi disse:

      22 de setembro de 2010 às 04:51

      Meninas,
      o segredo é divulgar informações a um grande número de pessoas, como veterinários, promotores, médicos, advogados, etc e à população, principalmente.
      O pessoal ligado à justiça tem que estar informado, pois muda a maneira deles entenderem sobre leish e começam a entender que é uma questão de educação e matar cachorro não vai ser a solução.
      Como a Camilli disse é trabalho de formiguinha, mas jamais devemos desistir. Divulguem pesquisas,trabalhos sobre leish,etc.
      A Aninha tem aqui no site a cartilha do pessoal do Miauaudote sobre prevenção, que fiz aqui em Jales e distribui em vários lugares (clínicas veterinárias, pets, Santa Casa,Fórum etc), pois ela é leve e alegre e chama atenção.(pedi permissão ao pessoal do miauaudote, se poderia fazer).
      Educar e informar é tudo e para as pessoas que moram em cidades em que a Leish está chegando, façam um seminário, pois vai chamar a atenção para o assunto e as sementes vão sendo lançadas.
      Isso é experiência que passo à vocês que tem dado certo.
      E não desanimem, pois é uma luta desgastante, mas nós temos grandes lutadores que tem falado por nós e nos representado muito bem, enfrentando com firmeza todas as dificuldades que aparecem.
      Pessoas como o Dr. André Luis, Dr. Manfredo (ANCLIVEPA-Brasil), Dr. Wanderson (ANCLIVEPA-Brasil),Dr. Vítor Márcio Ribeiro,o Fowler, Dr. Fábio Nogueira, Dr. Sérgio Cruz (advogado da ANCLIVEPA-Brasil),Dr. carlos Henrique Nery e outros que não me recordo agora.
      Esta história vai ter um final feliz, pois o movimento contra a matança indiscriminada no Brasil está aumentando e isso é ótimo!
      bjs à todos
      Vivi Vieri

    14. Anonymous disse:

      21 de setembro de 2010 às 18:27

      Ana,
      Parabéns, estou a tarde inteira procurando informações à respeito da Leishmaniose e o teu blog foi o mais completo, gostaria muito de receber teu email com a palestra, quero divulgar para meus amigos, concordo contigo a informação é a melhor arma contra a doença.Muito obrigado.
      Daniela Fernandes
      email:daniela_santinho@hotmail.com
      Florianópolis-SC

    15. Nós, Os Cachorros!!! disse:

      21 de setembro de 2010 às 13:42

      Ah!
      Já estamos seguindo este blog, porque com certeza iremos voltar muitas vezes e já estamos divulgando ele também…
      Esperamos que não seja contara…
      Abraxos do outro lado do mundo!!!

    16. Nós, Os Cachorros!!! disse:

      21 de setembro de 2010 às 13:19

      Amamos seu blog!!!

    17. raioX – da Tin disse:

      21 de setembro de 2010 às 03:01

      Olá Ana, apenas gostaria de dizer que admiro seu trabalho no blog e, tenho um Pet Award para voce em meu blog, gostaria que aceitasse, seria um prazer!

      Cintia Fumagalli
      São Paulo / SP

      tincf@ymail.com

      * sou amiga pessoal de Sylvia e Vanessa , sei que elas interagem muitos com voce e que voce conhece bem o trabalho delas no Cachorro verde, apenas estou citando isso para lhe dar uma referencia, não quero que pense que estou dando award para aumentar meu feed =)

      abraço e parabéns por seu trabalho!

    18. Fúlvia e Suzie disse:

      21 de setembro de 2010 às 00:38

      Adorei este post!!

      Tenho lido muito sobre leishmaniose e eu e a Débora do Zé vamos fazer um post sobre ela em outubro. Já estou nas pesquisas, lendo muito, sofrendo com relatos absurdos de separação dono e cão…

      Muito bacana sua iniciativa de esclarecer a população por meio do seu blog, parabéns!

      Vc pode mandar pra mim a palestra tb? galadrielfu@yahoo.com.br Vai ser muuuuuito útil nas minhas pesquisas =) Brigada, linda!

      Um beijo enormeeeee e melhoras pro Shoyo!

    19. Camilli Chamone disse:

      21 de setembro de 2010 às 00:12

      Dividir o conhecimento é a melhor maneira de multiplicá-lo!

      SUPER PARABÉNS por divulgar sobre essa epidemia anunciada e esclarecer pontos importantes do tema.

      O trabalho de formiguinha nunca acaba. E dizem que as formiguinhas nunca se cansam.
      Acho que vc é uma FORMIGONA!
      <3

    20. Skonbull French Bulldogs disse:

      20 de setembro de 2010 às 22:03

      Parabéns pela iniciativa, pela militância e pelos posts tão elucidativos.
      Sorologia é um exame sensível, mas pouco específico. É inconcebível condenar cães à morte tendo como juíz a inespecifidade e a leviandade de um exame de triagem.
      Se não há nada mais específico que se vá atrás de biopsias para análise histológica dos animais soropositivos. Esses seriam resultados de utilidade epidemiológica.

      Finalmente alguém se pronunciou publicamente para esclarecer que "sorologia" serve somente como triagem e olhe lá…
      Aquele abraço

      Sirley

    21. Ms. Siebert disse:

      20 de setembro de 2010 às 21:48

      O seminário foi tudo de bom e como a Vivi disse, temos que espalhar a sementinha!!

      Vamos preparar um folder em nome da É o Bicho e disseminar a informação correta! Conto com tua ajuda 😉

      E outra, estou (eu e outras pessoas) começando a receber email histericos de clinicas oferecendo os produtos e vacinas e dizendo que o cao tem q ser sacrificado se for positivo. Tudo por um bom dinheiro e muita falta de informção!

    22. comediasdavidacanina disse:

      20 de setembro de 2010 às 20:52

      Sinceramente, minha maior tristeza é do baixo quórum de VETERINÁRIOS. Eles (a maioria) são muito mais desinformados do que muitos proprietários e tem a obrigação de se informar a respeito. Eles são as melhores fontes de informação para aqueles que não sabem nem que tem o direito de manter seus cães consigo e trata-los. Há cidades, aqui em SP, que registraram abusos de funcionarios, que retiraram a força os animais, e as pessoas nem sabiam o que fazer.

      Mas, mais uma vez, parabéns pela realização. E estou contigo: EDUCAÇÃO É MELHOR ARMA QUE TEMOS!

      Beijocas!!
      Carina

      ps. esse post me fez chorar, por tudo: pelo desabafo solitário rs, por ter esperança na educação e, principalmente, pelo Fowler.

    23. Fran disse:

      20 de setembro de 2010 às 20:32

      oi Ana,q pena q n consegui ir, queria mto ter ido, mas tive outro compromisso e n deu, se vc puder me mandar a palestra, estou mto interessada… obrigada

    24. Gladis Helena disse:

      20 de setembro de 2010 às 18:43

      Oi Ana, parabéns à vcs pelo Seminário.Não fui,deves ter percebido,pq minha Sophia não tem aula aos sábados e ela não teria muita tolerância para esse tipo de evento.O importante,apesar do baixo quorum,é que a discussão foi aberta.
      Melhoras pro Shoyo e bjs pra vc.

    25. Ruthléa Nascimento disse:

      20 de setembro de 2010 às 18:00

      Oi Ana Corina,

      Achei muito interessante o seu post. Descobri o seu blog por acaso e, como dona de cinco cadelas, estou adorando. Você poderia enviar para mim a palestra do Dr. André Fonseca? Aqui em Brasília, onde eu moro, há muito preconceito e ignorancia quanto a Leishmaniose Visceral e eu gostaria de saber mais sobre o tema para conscientizar as pessoas que eu conheço e, quem sabe, proteger meu quinteto que eu amo tanto.

      Abraços!

      Ruthléa Nascimento
      Brasília
      lelea.nascimento@gmail.com

    26. Anonymous disse:

      20 de setembro de 2010 às 17:50

      Querida Aninha,
      fiquei emocionada com sua explanação, pois infelizmente, há uma acomodação e desinteresse com relação à leish, até ela chegar à nossa casa, bater à nossa porta e você nem tem mais como recusar a sua entrada, pois ela é entrona mesmo.Aí bate o desespero e só temos que correr atrás do pejuízo.
      Você agradeceu de uma forma tão especial que não tenho como retribuir, mas esqueceu que nós sabemos que você foi peça fundamental para que este evento acontecesse.
      Não importa que não lotou, pois a semente foi lançada e os que estiveram presentes serão os semeadores.
      Coloquei uma frase no facebook hoje e dou de presente à você com todo o meu carinho e gratidão por tudo que faz pelos animais.Só não consegui descobrir de quem é:
      "Se os seus esforços forem vistos com indiferença, não desanime: o sol dá o maior espetáculo ao nascer e a platéia continua dormindo".
      Todos estamos juntos neste barco, para que história da Leish tenha um final mais feliz!!!
      Beijocas e lambeijocas!!!!
      Vivi Vieri
      Jales/SP

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados