• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Guia de raças no Mãe de Cachorro – Afghan Hound

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 4 de agosto de 2010

    Afghan Hound: Adotar, ou não?

    Não costumo falar em raças porque sou uma eterna ‘puxa’ dos cães sem raça definida (SRD), mais especificamente dos vira-latas, aqueles que viviam nas ruas e que são, a meu ver, os melhores cães possíveis. Mas também não compartilho da patrulha que tenta denegrir os animais de raça quando na verdade só há um único bicho que mereça algum tipo de crítica: o bicho homem. Cachorro é cachorro e é tudo de melhor, tenha ou não “raça definida”.

    Cães ‘de raça’ existem há milênios e continuarão a existir. Muitos auxiliam os humanos em atividades honradas, como na procura por pessoas desaparecidas ou vítimas de desastres, na ajuda a deficientes visuais e físicos etc. São cães com caracterísiticas definidas, muitas delas verdadeiras aberrações provocadas pelo homem, mas que precisam ser estudados a fundo quando alguém decide adotá-los para que surpresas desagradáveis não aconteçam e amanhã ou depois o peludo não precise achar um novo lar.

    Passarei a falar de raças específicas aqui no MDC por dois motivos:
    1- Hoje o número de animais de raça abandonados no Brasil não só é imenso, como cresce absurdamente. Assim, a adoção deles também é uma realidade;
    2- Conheci um site muito bom que traz o lado positivo e negativo de diversas raças e que incentiva a adoção de cães adultos, então passarei a traduzir pra gente informações deste site sobre as raças que já vejo disponíveis para adoção no Brasil.
    Farei as traduções em ordem alfabética, dentro das raças citadas no site e, como já mencionado, traduzirei aquelas que você já pode optar por adotar, porque seus exemplares já estão sendo abandonados e largados em abrigos etc.
    –> Quer conhecer o verdadeiro temperamento de outras raças disponíveis para adoção? Confira o Guia de Raças Mãe de Cachorro clicando aqui.
    Raça de hoje: Afghan Hound – O caçador elegante
    Texto: Michele Welton – Tradução: Ana Corina – Todos os direitos reservados. A reprodução sem autorização é expressamente proibida.

     

    Temperamento – O que é bom e o que é ruim sobre eles
    O padrão do American Kennel Clube chama o Afghan Hound de “um aristocrata, toda sua aparência detona dignidade e indiferença… olhos fitando a distância, como se lembrasse de épocas passadas.”

    Alguns Afghan Hound realmente são cheios de dignidade, equanto outros são bobalhões e alguns alternam alegremente as duas características.

    Embora quietos dentro de casa, um Afghan não deve ser deixado sozinho por longos períodos sem atenção ou exercícios de corrida, porque ele se entedia facilmente e pode ficar destruidor.
    Não deixe esta raça solta em espaços abertos porque eles podem ser incrivelmente rápidos e podem sumir em segundos. Seus ossos longos fazem dele uma das raças mais ágeis e um dos melhores saltadores. Cercas e muram devem ser altos.
    Reservados por natureza, os Afghans precisam de muita socialização a pessoas, lugares e sons para que esta precaução não se transforme em timidez. Ele é sociável com outros cães, mas pode querer caçar/perseguir os pequenos.
    Treinos de obediência vão controlar sua arrogância ocasional e aumentar sua confiança, mas você precisa ser paciente e persuasivo porque cães de caça baseados na visão mais do que no olfato são extremamente sensíveis a puxões na guia e podem responder de maneira defensiva quando assustados*. Independentes e não necessariamente loucos para agradar, sua teimosia toma a forma de resistência mais do que de uma desobediência selvagem: eles fixam as pernas e recusam-se a andar.
    Os Afghans podem ser difíceis quando o assunto é comida e aprender a fazer as necessidades no local escolhido pelo tutor.
    *Tomei a liberdade de procurar outro site para entender um pouco mais sobre os tais ‘cães que caçam com a visão’ (sighthounds) e aprendi que são cães de caça que não precisam e nem esperam supervisão humana, baseando-se em seus instintos e agindo de maneira independente. São animais que caçam usando mais a visão do que o faro ou direcionamento humano. Para ler a fonte (em inglês) desta informação: clique aqui. Lógico que nenhum de nós irá caçar nada, mas para os que têm cães de caça, vale conhecer a história da raça para entender melhor seu comportamento. Um exemplo: meu Shoyo é um yorkshire terrier, um pequeno caçador de ratos (e de animais que vivem em tocas subterrâneas em geral) que já demonstrou aqui em casa do que é capaz, matando camundongos, lagartixas, cobras (aiii, quase morri quando ele veio todo feliz com uma imensaaaa coral na boca este ano e ele já havia matado uma filhote ano passado) e até um pobre morceguinho. Alguns camundongos e as asas do morcego viraram comida pro meu pequeno matador, prova de seu carnivorismo. E lógico que os cuidados contra estes animais todos foram redobrados, para não termos mais surpresas, e ele não fica mais no quintal sem supervisão. Mas é incrível ver como o danado cheira o ar e depois sai atrás das presas. Agora só ouve “Shoyo, volta”, hahaha.
    Se você quer um cão que…
    • Tem um corpo alto, esbelto e elegante
    • É extremamente atlético e gracioso – e que pode correr velozmente e saltar a grandes alturas
    • Tem uma pelagem longa e harmoniosa que existe em várias cores
    • Pode ser tanto um aristocrata digno quanto um palhação
    • É gentil com pessoas e outros cães
    Um Afghan Hound pode ser bom para você.
    Se você não quer…
    • Providenciar uma área segura e cercada onde ele possa se exercitar (muito!)
    • Um cão tímido ou desconfiado quando não foi socializado corretamente
    • Um cão com sensibilidade emocional ao estresse e mudanças abruptas de rotina
    • Instintos fortes para caçar outras criaturas vivas que corram
    • Lentidão para aprender e um ar independente de “O que eu ganho com isso?” quando está sendo treinado (Lembre-se: ele pode ser muito teimoso!)
    • Muita escovação de pelagem
    • Dificuldade para aprender a “usar o banheiro”
    Um Afghan Hound pode NÃO ser bom para você.
     
    Se você está pensando em adotar um Afghan Hound… Considere as questões abaixo seriamente.
    1. Providenciar bastante tempo para ele se exercitar com corridas. Afghan Hounds não precisam de longas corridas, mas este caçador precisa ter oportunidades regulares para gastar energia correndo à vontade algumas vezes por semana. Caso contrário, eles se tornarão violentos e entediados, o que pode resultar em comportamento destrutivo (sim, móveis mastigados e tudo o mais!) Afghan Hounds precisam ter acesso a uma grande área cercada porque são o tipo de cão que pode fugir e nunca mais voltar.
    2. Providencie bastante socialização. Reservados por natureza, Afghan Hounds precisam de uma imensa exposição a pessoas e lugares e sons incomuns. Caso contrário, sua cautela natural pode ser transformar em timidez e desconfiança, duas características difíceis de se conviver com.
    3. Temperamento independente. Afghan Hounds não são Golden Retriviers. Eles são independentes e não necessariamente estão preocupados em agradar você. Muitos são teimosos e podem ser manipuladores. Você precisa mostrar a eles através de muita consistência e constância que você realmente deseja que ele faça o que está sendo pedido.
    4. Caçando outros animais. Muitas pessoas não se dão conta do quão rápidos e ágeis estes “caçadores de visão” são, ou do quão fortes são seus instintos de perseguir e caçar animais que fogem rápido. Eles podem machucar gravemente ou até matar o gato ou cão pequeno do vizinho. No mundo de hoje, as repercussões legais deste ato devem ser consideradas.
    5. Sensibilidade emocional. Seja honesto(a)… Há tensão na sua casa? As pessoas são barulhentas, agressivas ou muito emotivas? Há discussões e brigas entre elas? Afghan Hounds são extretamente sensíveis ao estresse e podem literalmente adoecer dos seus estômagos, tendo desordens digestivas sérias e apresentando comportamentos neuróticos se as pessoas em seu lar estiverem tendo problemas familiares. Estes cães (como os outros ‘caçadores de visão’, como os whippets, greyhounds etc.) são pacíficos e sensíveis e precisam de um lar harmonioso.
    6. Cuidados com o pelo. Sem escovações frequentes os Afghan Hounds viram capachos emaranhados. Se você não pode (ou não quer!) se comprometer com escovações diárias, então tosar seu Afghan e manter a pelagem curta, limpa e saudável.
    7. Uso do “banheiro”. Espere levar de quatro a seis meses de treino consistente até ver resultados.
    Adote um Afghan adulto!
    Quando você adota um filhote, você está adquirindo potencial do que ele um dia pode se tornar.  Mas quando você adota um cão adulto, você está adquirindo o que ele já é e pode decidir se é o melhor cão para você baseado em sua rotina e realidade. Há vários Afghans adultos que já provaram não ter as características negativas típicas da raça. Se você encontrar um cão assim, não deixe que elas preocupem você. Fique feliz que você encontrou um indivíduo atípico e aproveite!

    Salve uma vida. Adote um cão.
     *Lembrando: Estou traduzindo as descrições de temperamento das raças (que já vi disponíveis para adoção) apresentadas pela autora norte-americana Michele Welton, que obviamente leva em conta que a maior parte de seus leitores mora nos EUA e sempre tendo em mente cães dentro do padrão comportamental de cada raça. Não adianta um cão ter “cara” de uma raça, isso nem é tão difícil, um cão realmente “de raça definida” tem, mais do que qualquer outra coisa, a personalidade, o comportamento e os instintos da raça a que pertence.
    Sobre a autora: Michele Welton tem mais de 35 anos de experiência como educadora canina e tem mais de 17 livros publicados, sendo 15 deles sobre cães.

    Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

    Categoria: Adoção, Guia de Raças
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    13 Comentários:

    1. loide francisca santos disse:

      20 de novembro de 2012 às 08:15

      Olá bom dia.
      Muito interessante este blog, a minha mãe tem uma femea de afghanhound estamos procurando um macho para o cruzamento mas não estou conseguindo encontrar.
      Grata

    2. Therje disse:

      29 de maio de 2012 às 16:52

      Ótimo site e com a ótima colocação de que cão é cão, independentemente da raça ou não. Venho lutando muito pra acabarem com esta patrulha ignorante que denigrem os cães de raça. Vejo muitos cães de raça sendo abandonados. E gostei muito da sua explanação sobre o sighthounds. Tenho um casal de salukis (resgatados) e posso falar que é exatamente isso. Quando olham uma possível presa, não escutam mais ninguém e pela velocidade é impossível segui-los de perto. A não ser com um carro. ;)) Boas fotos no instagram também. Abraços e continue o trabalho que é ótimo.

    3. Ana Corina disse:

      5 de agosto de 2010 às 02:02

      Gládissss, que delícia de recadinho, AMEI! Obrigada!

      Oi Cássia, obrigada pelo carinho, é muito bom saber que alguém de quem também admiro o trabalho curte o meu. Quando descobri este site que estou traduzindo logo pensei em fazer as traduções pra compartilhar com meus leitores porque é de extrema importância que as pessoas conheçam as características das raças porque elas adotam/compram porque acham 'bonitinho' e depois que se ferra e é abandonado, ou apanha, ou vive preso, é o coitado do peludo, né?

      Beijo!

      Beijo, meninas!

    4. Cassia disse:

      5 de agosto de 2010 às 01:05

      Ana, não tem jeito, cada vez mais admiro seu trabalho! Parabéns pela atitude de divulgar as características das raças! O MDC sempre prestando auxílios aos peludos, com raça ou sem raça definida! Beijos!

    5. Gladis Helena disse:

      4 de agosto de 2010 às 22:14

      Ana,
      só passei pra deixar um abraço bem quentinho cheio de carinho e admiração,com esse frio acho que vai bem.
      Aubraço

    6. Ana Corina disse:

      4 de agosto de 2010 às 16:22

      Oi Miguel,
      vai demorar um pouco porque é por ordem alfabética, hahaha. Mas acabei de verificar no site que estou usando pra fazer as traduções e a raça está lá. Vou traduzir apenas os artigos deste site porque gostei da maneira com a autora, com mais de 35 anos de experiência, faz as colocações sobre cada raça e como fala de adoção.

      Beijo!

    7. Miguel Eibel disse:

      4 de agosto de 2010 às 16:19

      Boa tarde!
      Adorei a sua iniciativa!
      Parabéns!
      Estou vendo muitos Spaniels Tibetano para doar a Jane tem um e é a mesma raça do meu Théo!
      Quando for postar sobre Spaniel Tibetano me avisa que te ajudo pois tenho algum material sobre a raça!

    8. Ana Corina disse:

      4 de agosto de 2010 às 16:06

      hahaha Escrevi o "show" ao invés de o "Shoyo". É que ele é show mesmo, hahaha.

    9. Ana Corina disse:

      4 de agosto de 2010 às 16:05

      Oi Camilli,
      obrigada pelo carinho.

      Oi Paty, moro em Floripa, SC. Mas o show não é nada extraordinário, apenas tem a possibilidade de morar em casa e demonstrar toda a capacidade da raça. Usei o exemplo dele para demonstrar a necessidade de conhecermos as raças porque há cada vez mais cães e gatos 'puros' ou mestiços de raças definidas (tipo, pastor com labrador, yorkshire com poodle), então para evitar problemas, confusões e algum tipo de situação ruim para o peludo e sua família no futuro, melhor que a adoção seja não só bem pensada e responsável, mas consciente.

      Voltando ao Shoyo, ele é um pequeno caçador. Um dia eu estava cozinhando e ouvi um barulho diferente no quintal, corri pra ver e era o Shoyo correndo e acuando um LAGARTO, guria. PODE? Esse toco de bicho caçando um lagartão imenso. A sorte foi que nem o Sushi, nem a Moira, vivos na época, deram conta do que estava acontecendo e o nosso terreno é grande, então o lagarto foi correndo rente ao muro com o Shoyo atrás dele e eu atrás do Shoyo. O interessante é ver que nesta hora, o Terrier falou mais alto e o Shoyo já estava em plena caçada e não parou quando mandei, e olha que ele me obedece MUITO! Felizmente quando o lagarto acuou na quina do muro, o Shoyo daí sim me obedeceu e voltou, então prendi todo mundo até o bichinho poder fugir.
      Gambá então, perdi a conta de quantos salvei do meu trio assassino e também de quantos eles mataram e comeram sem eu nem ver. Quando descobria, era uma ponta de rabo, uma patinha que deixavam pra trás… Aqui todo mundo caça tudo. As gatas da sogra, os cães dela também. Beijo!

      Beijo.

    10. Paty disse:

      4 de agosto de 2010 às 14:22

      Nossa, onde você mora? Fiquei impressionada com a habilidade do teu cãozinho! Tua Iniciativa é admirável.

    11. Camilli Chamone disse:

      4 de agosto de 2010 às 13:58

      Parabéns pela surpreendente iniciativa, Ana Corina! A você, todas as honras e glórias, pois é isso que se espera de alguém que realmente se preocupa com a causa animal.

      Não importa se o pet é de raça, sem raça, de rua ou de almofada, o que importa é seu bem-estar.

      Todos os que lidam com cães, seja vendendo, seja doando, devem ser PROTETORES!

      Meu abraço e minha admiração.

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados