• Instagram do Mãe de Cachorro

    Instagram
  • Receba os posts por e-mail:

    Ansiedade de separação em cães – Cada vez mais comum!

    Mãe de Cachorro - Ana Corina | 12 de dezembro de 2009
    Recebi este texto da minha sogra. Ele é longo, mas gostoso e fácil de ser lido e aqui só colocarei alguns pedaços para que vocês possam ter noção do que ele trata. Espero que gostem. Para ler o texto inteiro, clique aqui, vale a pena! Boa leitura.


    Umas das queixas mais comuns dos donos de cachorros (ou pelo menos dos vizinhos dos donos de cachorros)é sobre a gritaria que eles costumam fazer quando são deixados sozinhos. Muitas vezes o cachorro nem chora ou late muito, mas destrói a casa toda, faz xixi e cocô em lugares que normalmente ele não faria, baba ou lambe as patas sem parar (muitos chegando a ficar com as patas feridas).(…)
    Na verdade animais que se comportam de maneira destrutiva, ou choram muito na ausência do dono, SOFREM MUITO
    . Eles acham que foram abandonados para sempre (tá bem, tá bem, você sempre volta, mas e se não voltar DESTA vez?). O fato de ter que ficar só faz com que eles se sintam perdidos, amedrontados, e desesperados. Com tanto desconforto interior não é a toa que eles percam o controle de seu comportamento e comecem a fazer coisas fora do comum.
    Nem sempre o comportamento inadequado do cão está relacionado com a ansiedade da separação do seu dono, e nem todo cachorro desenvolve este tipo de problema, mas o fato é que muitos donos (e cães) acabam sofrendo, e muitas vezes tornando as coisas ainda piores porque não conseguem ver as coisas sob a perspectiva da mente do cão.
    Roer, lamber, cavar, e até urinar pela casa toda é uma forma de tentar aliviar a tensão e o estresse que ele sente. O cão simplesmente não suporta uma situação que deveria ser rotina na vida dele. Aliás, fazer com que ele perceba que existe uma rotina em sua vida é um dos passos que ajudarão o seu cachorrinho a conviver melhor com os momentos em que ele terá que ficar só.
    Categoria: Adestramento, Ansiedade por separação
    Atenção!
    Plágio é crime federal previsto na Lei 9.610/98.
    Conheça a Licença de Uso do blog e saiba o que você pode fazer ou não com os posts do Mãe de Cachorro!

    14 Comentários:

    1. Ana Corina disse:

      18 de outubro de 2010 às 13:38

      Silvana, leia os comentários acima, leia o texto que recomendei com atenção e pesquise sobre Ansiedade de Separação. Se eu fosse você, estudaria sobre comportamento canino e compraria um bom livro, como o Adestramento Inteligente, do Alexandre Rossi, por exemplo.
      Não há outra saída, você precisa estudar.

    2. Anonymous disse:

      18 de outubro de 2010 às 13:33

      olá preciso muito de ajuda com minha mel ela é poodle toy tem 6 meses e ja mandei castrar só q não posso sair de casa ela fica chorando muito não sei mais oque fazer por favor me ajuda afinal não é tds os lugares q posso leva-la obrigado silvana

    3. Anonymous disse:

      8 de julho de 2010 às 12:09

      Olá, Cláudio!

      O caso da sua "menina" pode ser de "Ansiedade por Separação", mas por aqui é impossível afirmar. Tem pequenas medidas que podem te ajudar um pouquinho, mas não serão suficientes para resolver a questão, entre elas:
      – evite dar "tchau" (acariciar, conversar com ela, ou voltar se ela começar a raspar a porta…) ao animal quando for sair.
      – quando retornar a sua casa, não interaja com ela antes de uns 15 minutos. O ideal é que só faça a interação quando ela estiver calma. Dar “tchau” quando sai de casa, ou “oi” quando chega, só faz com que a ansiedade dos peludos aumente.
      – Pode fazer coincidir o horário da refeição da sua dog com à hora da sua partida, assim, ela pode se interessar em ir comer e não dar tanta atenção a sua saída.
      – deixar para ela, quando for sair um delicioso Kongo recheado. Assim, ela vai se entreter em retirar a guloseima de dentro dele, e pode não focar na sua ausência.
      As medidas acima são apenas simples dicas. Em de “Ansiedade por Separação” você precisa do serviço de um Educador Canino. Um conselho é que escolha um que tenha como método de trabalho o Treino Positivo, utilizando clicker e não fazendo uso de aversivos.
      Espero ter ajudado,
      Amor e Luz!

      Emmanuelle Moraes
      Educadora Canina

    4. Ana Corina disse:

      7 de julho de 2010 às 02:32

      Oi, Cláudio!

      Você precisa conversar com um bom educador canino, alguém que vá te passar técnicas para ajudar este cão. Dia desses assisti a um episódio no programa O Encantador de Cães e o Cesar Millan resolveu o problema do cão (que tinha os mesmos sintomas da tua poodle e que inclusive a equipe filmou quando ficava sozinho) com caminhadas diárias (mas caminhadas mesmo, de no mínimo 40 minutos) e o uso da caixa de transporte como referência de um local seguro para o cãozinho se "entocar" ao ficar sozinho.

      Pedi pra Emmanuelle, educadora canina que é minha amiga, vir aqui te dar uns toques, mas o legal seria você contratar alguém pra ir até tua casa e conhecer a situação de perto, ok?

      Boa sorte e não desista dela. Poodles são MUITO inteligentes e, por isso, acabam sendo mais difíceis de enganar. Agora essa questão de lamber demais as patas e se auto-mutilar pode ser até efeito de excesso de vacinação, que só aparece mais tarde mesmo. Na dúvida, não a vacine mais pra nada e estude um pouco o assunto (tem dois posts sobre isso aqui no blog, veja o tópico Vacinação ali no menu da direita).

      Boa sorte e aguarde a resposta da Emmanuelle, ok?

    5. Anonymous disse:

      7 de julho de 2010 às 00:52

      Olá, meu nome é Claudio, sou dono de uma poodle de 7 anos. Na verdade ela foi criada por mim e minha mãe, mas infelizmente minha mãe faleceu a 3 anos e a 2 anos eu casei e mudei para um apartamento. Claro que a trouxe comigo, mas a adaptação está sendo complicada, ela não fica bem sozinha em casa. Após várias tentaivas, a melhor solução que encontrei foi deixá-la em um pet shop (day care) durante o dia. Lá ela está muito bem, mas nos finais de semana ou em algum dia durante a noite em que ela precise ficar sozinha o problema volta. Basicamente ela fica raspando a porta da sala e percebo que ela lambe as patas também. Estou dando florais a algum tempo, mas não percebo melhora significativa. Qual seria o melhor tratamento?

      obrigado….

    6. Anonymous disse:

      27 de fevereiro de 2010 às 23:20

      Hi,

      I am new here..First post to just say hi to all community.

      Thanks

    7. JES disse:

      4 de janeiro de 2010 às 16:04

      Olá, eu tenho dois yorks, um macho e uma fêmea. Na verdade, eu resolvi ter a fêmea justamente para fazer companhia para o macho, e tb para ser a "esposa" dele, mas acabou que ela é muito menor q ele, e eles não poderão cruzar, mas enfim, eles foram ficando sozinhos aos poucos. Primeiro eu saía pra trabalhar e passava o dia todo fora. Aos poucos eles foram criando as defesas deles. Hoje infelizmente tenho um trabalho que me força a passar 14 dias fora e 14 dias em casa. É muito tempo! Pois é, eu sei, tive que montar todo um esquema para que eles ficassem bem. Tenho um anjo em minha vida que vai à minha casa 2X/dia. Se ela simplesmente fosse à minha casa, desse água e comida e fosse embora, não daria certo, mas ela simplesmente ama cachorro tanto quanto eu e ela passa um bom tempo com eles, brincando, fazendo a minha ausência ser mais leve pra eles. Nem hotel poderia ser melhor pa eles! Fico muitíssimo grata e feliz por isso! Graças a Deus e à D. Vera! Bjs em todos.

    8. Anonymous disse:

      14 de dezembro de 2009 às 12:55

      Eu adotei um dos meus cachorros, o Sena, por que o dono dele (que era super dedicado) faleceu e então a filha do dono começou a deixar o Sena amarrado no quintal, sozinho, e passava por lá apenas uma vez por semana para dar comida. O Sena passou a chorar dia e noite sem parar, coitadinho… Eu morava perto o e não aguentei ficar assistindo todo aquele sofrimento, pedi para que a filha do falecido me desse o Sena (o que ela fez na hora com grande satisfação). Quando ele chegou em casa a gente não podia sair um minuto que ele começava a chorar. Ele estava traumatizado… Eu e meu marido tivemos que nos empenhar muuuito para que ele melhorasse. Mas hoje, depois de muito trabalho, ele está ótimo. Mudamos para uma fazenda e ele nunca mais chorou! Flávia Azevedo

    9. Marina disse:

      13 de dezembro de 2009 às 15:03

      Sim ana! o problema sou eu sim, mas eu to seguindo umas regrinhas de adestramento e ela melhorou, mas me doi ver ela fazendo festa e ter que ignorar, tadinha!!
      o problema é sempre o dono, o cachorro é a cara do dono, e a minha é ansiosa que nem eu, aqui na faculdade ela virou aula guria! hahaha, como eu sou aluna, e os outros alunos me conhecem, a professora pode fazer uma consulta completa pra descobrir o motivo da neura dela, foi bem legal, mas é difícil os donos admitirem isso pros veterinários né?
      a Bianca ficou assim pq foi criada comigo 24 horas até o 1º ano dela, por causa das minhas crises de panico, eu só saia se ela fosse comigo (inclusive pra ir no médico), depois eu melhorei, e começei a sair sem ela, ai que começou as mutilações dela, agora ela fica sem mim e nem liga!
      tá lá em floripa com meus pais, pensa que ela nota que eu não to lá? tá é toda faceira de passear todo dia na beiramar hahaha

    10. Nade disse:

      13 de dezembro de 2009 às 01:38

      Oi, Ana!
      Amei o seu blog e certo que já sou seguidora!
      Sabe que tenho um anjinho igual a esse no final com um jornal na boca… É o Scott, a coisa mais linda que ganhei esse ano!
      Ele era maltratado pelos antigos donos e, quando me deram e trouxe pra casa, ele tinha pavor de ficar sozinho em casa. Se transformava num verdadeiro terrorista.
      Hoje, parece uma criança mesmo! Antes de sair pro trabalho, deixo ele na casa da minha cunhada, que mora próximo, e quando meu marido volta do trabalho, passa pra buscar ele. Acredita? hehehehe
      Não sei se conseguiria viver sem ele… Como nos apegamos, né!
      Bjs
      P.S.: Estou participando da promoção! Parabéns pelo lindo blog!

    11. Ana Corina disse:

      12 de dezembro de 2009 às 22:25

      Marinaaaaa, vai ler sobre adestramento, amada! Não precisa medicar a pobrezinha, com poucas noções de adestramento já vais mudar isso, mas é VC quem tem que mudar pra Bianca fofa poder melhorar.

      Flavinha, é isso mesmo, mas no caso dos cães que já têm a síndrome deve ser mesmo um pouco diferente. Aqui em casa, a ordem do adestrador é ignorar quando sai e quando volta, mas nenhum deles tem grandes problemas de separação, não gostam e tal, mas nunca dei muita chance pra eles piorarem a situação.

      Beijos, meninas!

    12. Marina disse:

      12 de dezembro de 2009 às 21:54

      a minha filhota bianca tem a sindrome da ansiedade da separação, ela teve que tomar antidepressivos por um tempo para parar de se auto mutilar quando eu saia de casa, certa vez quando voltei tinha sangue na sala inteira, ela arroncou a própria unha! tem tb uma falha de pêlo numa das patas de tanto que arrancou! depois do tratamento com antidepressivo e florais de bach ela melhorou, mas quando eu saiode casa ela fica atrás da porta o tempo inteiro

    13. MANU PINK disse:

      12 de dezembro de 2009 às 21:31

      OI, COMO VAI, AMO SEU BLOG E ESTOU T SEGUINDO FAZ ALGUM TEMPO,BOM… EU FICO MUITO TRISTE QUANDO DEIXO LUNA ROSA SOZINHA EM CASA DAS 7,30 ATÉ 22 HORAS SOZINHA , MAS QUANDO VOLTAMOS DO TRAB E FACU DAMOS TODO CARINHO DO MUNDO, MAS ME DÓI SABER Q ELA ESTA SOZINHA, HJE MESMO SAI CEDO ENAO VOLTAMOS AINDA 18,30, MAS ELA É MUITO COMPORTADINHA GRACAS A DEUS!!!

      BJOKAS!!!

      T ESPERO NO MEU BLOG EM!!!

    14. Anonymous disse:

      12 de dezembro de 2009 às 21:19

      Oi Ana, já me disseram que não é bom se despedir muito do cão quando vai sair e nem fazer muita festa quando a gente volta, parece que isto agrava o problema. Flávia Azevedo

    Os comentários estão fechados.

  • Arquivo por data

  • Páginas

  • counter for wordpress
  • Assuntos

    Mãe de cachorro também é mãe!

    Todos os direitos reservados